FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Guitarra e noise (from Japan)

Já abordamos, de passagem, Masayuki Takayanagi (1932-1991) por aqui. Mais do que parceiro de Kaoru Abe, o guitarrista japonês foi um dos mais instigantes exploradores do instrumento. Takayanagi é um dos pais do noise, sem dúvida, tendo feito de seu trabalho um campo fértil de testes ruidosos. Nada de rifes ou solos virtuosos: sua guitarra sempre esteve direcionada a outros campos. Com seu grupo 'New Directions' _transformado depois em "New Direction Unit"_ criou um complexo mundo sonoro, desde o fim dos 50, tendo o free jazz e a improvisação livre como pontos de partida _mas rumo a estruturas ainda mais abstratas e agressivas. Takayanagi foi um dos pioneiros da música livre no Japão. Manteve sua verve até o fim da vida, tendo passado a explorar cada vez mais ruídos proporcionados por pedais e efeitos eletrônicos em seus últimos anos.

Eclipse, ao lado de La Grima, está entre os trabalhos que melhor exemplificam suas pesquisas. Gravado em 1975, Eclipse traz o quarteto liderado por Takayanagi em três longas faixas. O álbum foi lançado, na época, apenas no Japão, por um pequeno selo e em edição de só 100 cópias _ninguém apostava que ‘aquilo’ venderia. Hoje, esses exemplares originais chegam a custar US$ 3.000.

As duas primeiras faixas, que formam o primeiro lado do disco original, receberam o nome de “Gradually Projection”. A terceira faixa, que formava o lado B, recebeu o rótulo de “Mass Projection” _curiosamente, esses mesmos títulos estamparam a capa de dois duos que o guitarrista fez com Kaoru Abe em 1970. O “Gradually” do título pode ser aplicado apenas à primeira faixa: ou melhor, a seus primeiros cinco minutos, que são de chegada, com o som ainda se arrastando; depois, é ataque contínuo. A segunda parte (“Mass”) é o ápice do disco, uma intensa improvisação de 25 minutos, atemporal, que soa viva, provocativa e de difícil degustação mesmo aos ouvidos contemporâneos. Para quem não conhece Takayanagi, difícil melhor apresentação.


1: First Session I (Gradually Projection) 10:59

2: First Session II (Gradually Projection) 9:07

3: Second Session (Mass Projection) 25:41


*Masayuki Takayanagi: guitar [electric]
*Kenji Mori: saxophone alto, flute
*Nobuyoshi Ino: bass
*Hiroshi Yamazaki: drums

Recorded March 14, 1975 in Tokyo

7 comentários:

fabricio vieira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
::Andre:: disse...

Excelente texto!
Infelizmente não tenho nenhum disco dele (do Abe só um), mas um dia perco a cabeça. Foi um músico inovador e que quebrou barreiras, e sendo o improv e o noise espectros dificeis de digerir, normalmente a compreensão e a adoração são posteriores.
Em Abril vou trazer ao Porto o último aluno dele, o Shinichi Isohata e estou curioso para saber as histórias que ele tem para partilhar.

fabricio vieira disse...

Que fantástico ver o Isohata ao vivo! pena que os produtores daqui ainda demonstram estar muito desconectados da cena free/improv atual... Me parece que aí em Portugal vcs estão mais antenados no que ocorre nessa seara...
Dê uma ouvida nesse disco do Takayanagi que é uma bela introdução a seu cosmos... Em breve postarei mais material dele por aqui.

Ochyming disse...

Meu guitarrista favorito.
Obrigado!

fabricio vieira disse...

o meu também. amanhã tem mais.

Leonardo disse...

Olá! Mais planos para os ruidosos Kaoru e Masayuki, duo ou solo?? Abs.

fabricio vieira disse...

esses são de casa, sempre pode aparecer algo a qualquer momento!