FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Quem tem medo de Lou Reed? (cinco passeios por bosques extremamente ruidosos)

Os ingressos para as duas apresentações de Lou Reed em SP esgotaram em menos de duas horas. Fãs do músico americano enfrentaram longas filas na tentativa de ver/ouvir o ídolo. Todavia, nem tudo o que se escutava das pessoas que estavam ali, em pé e ansiosas em relação à possibilidade de não conseguirem seu ingresso, era expectativa positiva.

Não acredito que o Lou Reed vai tocar apenas essa merda.”
É muito azar esperar tanto para ver o cara ao vivo e ele resolver ressuscitar isso quando chega minha vez [de vê-lo].”
Acho que vai chegar um momento durante o show que vai dar até vontade de cuspir no palco.”

Essas foram algumas frases que escutei de pessoas que estavam na fila em uma das unidades do Sesc, na última quinta-feira, quando os ingressos começaram a ser vendidos. Com suas falas, os jovens e (ao menos assim se pensam e se vendem) “moderninhos” fãs do velho líder do Velvet Underground desnudaram-se artisticamente muito mais puristas e conservadores do que possam imaginar: toda a reclamação era por conta do famigerado “Metal Machine Music”, a longa experiência noise (vinil duplo quando saiu) gestada por Lou Reed em 1975 e resgatada em sua atual turnê como “Metal Machine Trio”. O que essas pessoas demonstram é que não conseguem se interessar (compreender, apreciar) nada além de canções com certos tiques modernosos.
Assusta ver, ainda hoje, tal tipo de percepção artística, passados 35 anos desde o lançamento do álbum. Em entrevista recente, Reed falou sobre a expectativa que tinha na época em que planejou o “MMM”:

I honestly thought: "Boy, people who like guitar feedback are gonna go crazy for this. If you like loud guitars, here we are.”

Se essa era de fato a expectativa dele, a péssima recepção do trabalho –que chegou a gerar uma ‘lenda’: o músico havia feito ‘aquilo’ apenas para ter seu contrato, que chegava ao fim, rescindido com a RCA –deve tê-lo decepcionado imensamente.

É curioso que as mesmas pessoas que criticam o 'MMM' estufem o peito para falar da radicalidade e da ousadia do Velvet Underground mesmo que, na verdade, esses traços contemplem apenas uma face da mítica banda. Clássicos como “Heroin” e “White Light/White Heat” são o quê? Belas canções temperadas com grossa sujeira guitarreira. O VU realmente apostou mais longe em “Sister Ray”, mas esse ficou como o ponto extremo de suas criações. Enquanto uma banda como os "Les Rallizes Denudes" seguiu adentrando os rumos demarcados por Sister Ray, o VU recuou, até desembocar na suavidade de “Loaded”.




A jornada solo de Lou Reed não é diferente. E “Metal Machine Music” é uma curva fora, espremido entre os comportados “Sally Can’t Dance” (1974) e “Coney Island Baby” (1976). Por tudo que fez nos dez anos anteriores, Reed tinha autoridade e liberdade para assinar sua peça noise –pena que não tenha dado continuidade a tal rumo. Então, qual o motivo de tanta chiadeira? Muitos responderiam: porquê isso não é música! E esse é o ponto nevrálgico da polêmica: o que as pessoas consideram música?

Ao menos duas frentes antagônicas podem ser evidenciadas dentre as diferentes respostas que comumente são dadas à questão: de um lado, o divertimento: música é para cantarolar junto, para dançar a noite toda, para se desafogar do cotidiano opressor, se distrair da vida dura; de outro, a música é encarada a partir de sua função e ação social, transformadora, compromissada, de conscientização política e cultural (cabem aqui até mofados ufanismos nacionalistas). E por trás de qualquer uma dessas visões está o principal: a natureza e o objetivo da arte, rotineiramente abordados de forma superficial e ligeira.

(prefiro parar e ouvir John Cage exaltar a música como introdução ao caos da vida.)


O historiador inglês Paul Griffiths (autor de livros básicos como “A Música Moderna” e “Enciclopédia da Música do Século XX”) nos lembra que, após 1900, “a gama de sons que se poderiam considerar musicais aumentou amplamente”.
No âmbito teórico e acadêmico, houve o advento da nova gramática composicional de Arnold Schoenberg (1874-1951), o dodecafonismo. No lado das vanguardas (mais ação e menos teoria dura), o Futurismo de Luigi Russolo (1885-1947) trouxe seu manifesto L’Arte dei Rumori , de 1913, que elegia o ruído e a cacofonia das metrópoles como componentes constituintes do fazer musical. Nas décadas seguintes, tivemos manifestações diversas em defesa de uma nova escuta e compreensão sonora, como a série Imaginary Landscape, de John Cage (1912-1992), criada entre 1939 e 1952 (que se utilizava de receptores, geradores de freqüências, toca-discos e dispositivos eletrônicos vários); não podemos esquecer também as experiências eletrônicas/eletroacústicas pioneiras de Karlheinz Stockhausen (1928-2007) entre os anos 50/60. Mesmo assim –estamos falando de buscas e obras realizadas há décadas– o que domina as audições, independente dos gêneros que estejamos tratando, é um campo limitadíssimo de assimilação sonora.

Não parece exagero apontar que as propostas de Russolo apenas encontraram sua realização plena nas criações que ganharam vulto a partir dos anos 70/80 e foram rotuladas e enquadradas sob o selo noise. O experimento de “Metal Machine Music” deveria ser deglutido a partir desse enfoque e não por certo ranço saudosista das ‘mais belas canções’ de Lou Reed.

Como o 'MMM' é bastante conhecido e tem ampla distribuição, selecionei alguns sons que bem ilustram o mundo noise e mostram aos desavisados que o velho Lou não está sozinho em seus devaneios ruidosos.  


Nessa breve seleção, feita sem grandes planejamentos, acabaram por prevalecer os japoneses.
O Japão sempre se mostrou uma terra elevadamente frutífera para as experiências noise. As particularidades do som nascido por aquelas bandas fizeram com que críticos passassem a falar em “harsh noise” e "japanoise". Do noise setentista, também abriram-se outras subdivisões, como o 'free noise' e o 'power noise'.


*************************************




Antes de se falar em noise como estilo independente, o saxofonista Kaoru Abe e o guitarrista Masayuki Takayanagi se juntaram para algumas gigs e deram os rumos do que viria depois. O ano era 1970 e, dos encontros, nasceram três discos: “Kaitaiteki Koukan”, “Gradually Projection” e a peça mais radical de todas: "Mass Projection". Em duas faixas, munidos apenas de sax e guitarra, os dois músicos criaram alguns dos momentos musicais mais sujos realizados até então. Seminal, "Mass Projection" anunciava um cosmo sonoro sem concessões.



 
No final da década de 70, em NY, surgiu um trio que se tornou um dos mitos da seara noise: o Borbetomagus. Interessados primeiramente em fazer free jazz, os saxofonistas Jim Sauter e Don Dietrich, acompanhados pelo guitarrista Donald Miller, acabaram por aprofundar as conquistas de Abe e Takayanagi de quase uma década antes. Nesse álbum, estão reunidas faixas captadas durante os primeiros tempos do trio.





Uma das lendas do japanoise, o Hijokaidan veio ao mundo na mesma época do Borbetomagus. Tendo à frente o guitarrista Yoshiyuki ‘Jojo’ Hiroshige, o Hijokaidan tem em Toshiji Mikawa seu outro líder. No período de comemoração de uma década de existência, o grupo lançou “Modern”, um de seus mais explosivos trabalhos. O disco traz apenas uma faixa, com mais de 1 hora de pura distorção auditiva. Também participa do disco a insana Junko (voz/baixo).


 
Talvez Masami Akita, o homem por traz do projeto Merzbow, seja o mais conhecido artista noise da atualidade. Tendo trabalhos com grupos ‘populares’ como o Sonic Youth, o nome Merzbow acabou por ser difundido entre pessoas que não estão estritamente focadas no terreno noise. Mas nada disso amansou a sonoridade criada por Akita com suas parafernálias eletrônicas. Basta poucos segundos desse “Hybrid Noisebloom” para constatar isso.






Dono do projeto mais novo dentre os apresentados, Yamazaki "Maso" Takushi é quem está por trás do “Masonna”. Na linha de Merzbow, o Masonna (Mademoiselle Anne Sanglante Ou Notre Nymphomanie Auréolé) mexe com ruidosidades eletrônicas, adicionadas aos insanos vocais de 'Maso'. Diferente dos discos acima, esse "Inner Mind Mystique" mostra faixas mais curtas. 

6 comentários:

Claudio disse...

Fabricio,

Pretendia assistir ao Metal Machine Trio por sua proposta,não só pelo Lou Reed mas infelizmente os ingressos se esgotaram rapidamente. Já tive a oportunidade de assistir o Lou Reed ao vivo com a banda dele e cantando tudo o que o público queria dele. Me interesso por esse projeto MM Trio ha tempos.
O Metal Machine Trio no cd duplo ao vivo chamado ' The Creation of the Universe' faz outro tipo de som e não é uma cópia do album 'Metal Machine Music' em versão ao vivo apesar de ser experimental. A midia anda fazendo a maior confusão aí e os fãs não estão entendendo direito.
O Metal Machine Trio citado acima tem além do Lou Reed na guitarra e eletronicos,o saxofonista Ulrich Krieger( do 'Text Of Light' entre outros )que também opera os 'live electronics' além do terceiro membro Sarth Calhoum também no processamento eletrônico.
O som está um pouco longe do 'ruido' do album original MMM.
A coisa é mais calma , mais estruturada cheia de 'drones' e alguns sons mais cavernosos tornando -se mais nervoso ao decorrer dos cds. Existem momentos em que parece até a 'ambient music' do Brian Eno, algo mais meditativo e até algo semelhante aos sons dos 'frippertronics' Robert Fripp até o Lou Reed voltar a pegar mais pesado na guitarra,mas está um tanto longe do que se conhece do album Metal Machine Music.
* Outro ponto de confusão é a versão do album MMM feita ao vivo pelo grupo experimental alemão 'Zeitkratzer' e com a participação do Lou Reed na guitarra. Aí a coisa é outra. É a adaptação do MMM para o grupo Zeitkratzer composto de violinos,cellos, violas,tuba, sax, piano,percussao,e obviamente a guitara do Lou Reed. Neste caso a transcrição do MMM original para esta versão foi feita pelo saxofonista Ulrich Krieger que é membro do Zeitkratzer e do Metal Machine trio. Aqui sim a coisa é muito mais ruidosa e radical.Uma excelente versão mais completa e estruturada como nos mais radicais experimentos da vanguarda dos anos 50/60 .O 'ruido' levado a sério,com partituras e tudo mais. Esta versão é de 2002 e saiu em CD+ DVD ao vivo, tudo num mesmo pacote com o nome de ' Lou Reed: MMM 'performed by Zeitkratzer.
A direção desse projeto é do Reinhold Friedl o cara por tras do Zeitkratzer.
Essa versão sim, os fãs do Lou Reed poeta,cantor...poderiam temer por ser bem radical,mas o trio que vem ao Brasil é muito mais calmo e longe do 'noise' do Merzbow,Russell Haswell,Borbetomagus e as várias facetas do Keiji Haino etc..
** O Lou Reed ha anos vem buscando novos sons e além desse trio andou tocando e gravando ao vivo com o John Zorn e a Laurie Anderson em 2008,apresentação com 3 temas totalmente improvisados e radicais. O cd ao vivo com essa apresentação foi lançado em edição limitadissima e somente pelo site do John Zorn. O Lou Reed também se dedica a gravar cds para relaxamento, ele é praticante de yoga e fotografo também.

A meu ver ( e ouvir )desses 3 projetos comentados o mais 'calminho' é justamente esse que vem ao Brasil.
Não sei o porque o colocaram como 'noise' ou numa série do Sesc chamada 'Barulho',mas nunca se sabe o que eles podem aprontar ao vivo,mas tirando por base o cd ao vivo Creation of The Universe,a coisa difere muito do album MMM.

Abraço
Claudio Penteriani

Claudio disse...

No You Tube existem vários videos do Metal Machine Trio:

http://www.youtube.com/watch?v=CWV5wGRl-Jo

http://www.youtube.com/watch?v=ei812zZbN24&feature=related

Zeitkratzer MMM video :
http://www.youtube.com/watch?v=Wv8cJneLJkU

Lou Reed -John Zorn -Laurie Anderson + Sarth Calhoun
http://www.youtube.com/watch?v=JhaUDl4jbS0&feature=related

Abs
Claudio Penteriani

fabricio vieira disse...

Claudio,enquanto escrevia esse post, deixei rolando alguns vídeos do youtube (não sei se são esses que vc linkou, ainda não os acessei) do Lou Reed e o 'MM Trio' em 2009 (creio) e algumas coisas chamaram a atenção: além de passagens mais fluidas e etéreas do que agressivamente dissonantes (como vc bem destacou), era nítida a importância do papel do sax do Krieger (peça relevante na textura atual e inexistente no trabalho de 75) em muitos momentos.

Tb estava interessado em vê-lo e, tb, fiquei sem ingresso. Vc vai ver o Ornette e o Crash?
abs,

Claudio disse...

Fabricio,
Fiquei um tanto desanimado quando liguei para o Sesc daqui de Santos e percebi que os ingressos para o Ornette estavam se esgotando,não sei se já esgotaram mas gostaria sim de ver o Ornette.
Tem uma outra apresentação legal no Sesc e que tb estava quase esgotado na quinta feira passada. Se trata do Hallo Gallo 2010 com o Michael Rother do NEU. Ele vem acompanhado do baterista do Sonic Youth e mais um musico que não me recordo o nome no momento.
No mais estou me programando pra ver o Ken vandermark e o han Bennink em dezembro.
Quanto ao Crash não pretendo ir.

Abraço
valeu

::Andre:: disse...

Isto é que é serviço público!

Anônimo disse...

Isto é que é serviço público! (2)

Cada vez que entro aqui descubro um mundo novo, é genial. Sempre fui fã de noise, porém na vertente grind/punk/hardcore. Começo agora descobrir muito mais coisas!!! do caralho