FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sábado, 19 de março de 2011

A musicalidade espontânea de John Stevens

O percussionista britânico John Stevens (1940-1994) foi um dos nomes fortes da free improvisation européia. Ao lado de Paul Rutherford e Trevor Watts fundou em 65 o Spontaneous Music Ensemble (SME), um dos mais importantes grupos da cena européia pelo qual, em muitos anos de atividade constante, passaram Derek Bailey, Evan Parker, Barry Guy, Dave Holland, Ian Carr e até o baixista brasileiro Marcio Mattos.
A história do SME começou no Little Theatre Club de Londres, destacado ponto de encontro de improvisadores e jazzistas avant-garde, onde Stevens, Watts e Rutherford costumavam se trombar e tocar. O SME sempre acompanharia –às vezes mais, às vezes menos intensamente–, Stevens, sendo que uma de suas últimas gravações  (“A New Distance”), feita poucos meses antes de morrer de ataque cardíaco em setembro de 1994, foi exatamente com o grupo.

John Stevens esteve envolvido em projetos de diferentes perfis durante sua vida musical. Além do SME, participou de bandas de jazz-rock (“Away”), esteve ligado ao projeto “Amalgam”, de Trevor Watts, e tocou um grupo com uma orientação mais post-bop (“Freebop Band”) nos anos 80. Ainda nessa década articulou o trio free “Detail”, com o saxofonista norueguês Frode Gjerstad.

A abertura sonora a que estava exposto Stevens o levou até o guitarrista Allan Holdsworth, um dos ícones britânicos do jazz fusion, com quem realizou alguns trabalhos. Depois de passar pelo Soft Machine, Holdsworth tocou um tempo no “Lifetime” de Tony Williams. É nesse período que o guitarrista entrou em estúdio com Stevens. Nesse “Touchin On”, de 1977, vemos os dois músicos juntos em uma sessão com mais marca “fusion setentista” do que com uma levada free improv. Particularmente, não me animo muito com a guitarra, que às vezes parece interminável, de Holdsworth. Tanto que julgo a última faixa (“Ah!”), que faz parte de outra sessão, a melhor do conjunto...

1. Touching On (21:24)
2. Home (14:13)
3. Finally (1:33)
4. AH! (26:19)

*John Stevens: drums
*Allan Holdsworth: guitar (1,2,3)
*Ron Mathewson: bass (1,2,3)
*Jeff Young: piano

*Robert Calvert: sax (4)
*Dave Cole, Nigel Moyse: guitar (4)
*Ron Herman: bass (4)

2 comentários:

Rev. Dr. Moller. MDMA, THC and BAR. disse...

Thank you for this.

La Perfida Canalla disse...

Llevo un rato por tu blog y la verdad, he aprendido un monton, desconocia mucho del mundo del jazz (aun sigo haciendolo) pero me ha parecido muy interesante. Volvere
Por cierto soy Perfida
Un saludo coleguita