FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Sons nas Redondezas - V

Agora podemos atestar, de fato, a sensação deixada em meados de 2010, quando de sua estreia: o duo FLAC não se trata apenas de um lampejo sonoro, e seu primeiro álbum, fruto de uma sessão inspirada. Agora, que chegam aos ouvintes os Volumes 2 e 3 da série “Improvisações”, protagonizada pelo FLAC, não restam dúvidas em relação ao que esses caras têm a oferecer.



Foi em 2010 que o baterista Flávio Lazzarin se juntou ao saxofonista André Calixto para explorar esse que é um formato clássico por excelência do free jazz. Essa história começa em 22 de fevereiro de 1967, quando John Coltrane e Rashied Ali gestaram o seminal ‘Interstellar Space’, abrindo as portas para uma sequência de memoráveis duos sax-bateria nessas décadas todas. Apenas para lembrarmos de exemplos obrigatórios em tempos recentes: Virginia Genta e David Vanzan; Paul Flaherty e Chris Corsano; Ken Vandermark e Paal Nilssen-Love; Daniel Carter e Andrew Barker. E agora, Lazzarin e Calixto.
Quem já havia se atentado e sido seduzido pela pegada do disco de estréia do FLAC encontrará nos dois novos rebentos continuidade e aprofundamento dos rumos até então testados.

O Vol. 2 funciona como uma face B do "Vol. 1" (ao lado, já apresentado por aqui), com Flávio explorando, além da bateria, o vibrafone e eletrônicos. A terceira e quarta faixas do disco são exemplos interessantes desses rumos, com Calixto solando sobre uma sutil base de pinçados efeitos eletrônicos.
Já o Vol. 3 mostra o duo mais centrado, direto, com Lazzarin focado apenas na bateria. Calixto segue suas divagações pelos saxes tenor, alto e soprano, somados a uma variedade de pequenas intervenções de outros sopros (flauta, clarinete, shinobue, bansuri), intercalando passagens de quase-silêncio oriental com extensas cascatas explosivas e intensos ataques guturais. Calixto abre o Vol. 3 ao tenor, em rouquidão crescente, com a percussão de Flávio chegando aos poucos, sem cortar a linha traçada pelo sopro, em crescendo. O segundo tema já começa acelerado, com o sax em uivos e guinchos, enquanto as baquetas aceleram o percurso, em toques contínuos e secas quebras nos pratos. Já na faixa cinco, quem dita o comando nos (quase) primeiros dois minutos é a bateria, que canta sozinha até a entrada ácida e estridente do sax. Esse é o mais expressivo trabalho do FLAC e tem de ser descoberto aqui e lá fora –Europa, EUA, Japão: não faltarão ouvidos interessados: improvisação livre de fina estampa.  

Se a dupla fosse de jovens apenas interessados em destilar energy music poderíamos correr o risco de termos um processo de circulares fórmulas de repetição e ataque, que se desnudariam desgastadas logo à terceira ou quarta audições. Mas não se trata disso. Calixto e Lazzarin são músicos sólidos, amadurecidos em tempos árduos de estudos e intervenções em diversos contextos/grupos nesses anos todos. Na semana passada, pude ver Lazzarin ao vivo (com o Otis Trio) e não restam dúvidas de que o baterista está entre os mais inventivos e intensos da cena local. Explorando o kit-base no limite, adicionando pratos soltos sobre a pele da caixa, tirando ruídos até da armação do instrumento, o baterista exibe amplo domínio de seu meio de expressão, que explora com riqueza timbrística, rítmica e criatividade de sobra –dados essenciais para compor um improvisador com força própria.
Ouvir o FLAC é ter a oportunidade de apreciar não apenas o que de melhor tem sido feito localmente, mas nas redondezas sonoras mundo afora.



Improvisações: Vol. 2


1. 07:22
2. 06:02
3. 05:49
4. 06:39
5. 21:14
6. 09:01





Improvisações: Vol. 3



1. 02:52
2. 13:08
3. 04:37
4. 12:23
5. 06:14
6. 08:30




*André Calixto: tenor, alto, soprano, flauta, clarinete, shinobue, bansuri
* Flávio Lazzarin: bateria, EA-1, vibrafone

Release date: april, 2011.

-----------------------------------------
Ps: os discos estão à venda, em capa estilo vinil, papel 170g, por R$ 8 cada.
Em http://zumbidor.wordpress.com/

6 comentários:

Naura Telles disse...

Fabrício, parabéns pelo blog, é o melhor que conheço em português sobre free jazz.

Beijo!

Anônimo disse...

muito bom o som desses caras, ainda não conhecia.

fabricio vieira disse...

valeu, voltem sempre!

SÚLZER LARISSA GERMANO (LARI) disse...

Bom ver talento genuíno reconhecido!

Felipe disse...

Comprei o Volume 1 e 2 hoje na apresentação da São Paulo Improvisers Orchestra, no CCSP.

fabricio vieira disse...

Belas aquisições!!