FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sábado, 6 de agosto de 2011

Lisboa abriga o melhor do free nos próximos dias

Enquanto escrevo estas linhas, a saxofonista alemã Ingrid Laubrock, ao lado da guitarrista Mary Halvorson, se prepara para subir ao palco do Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (Portugal). O local sedia o fantástico festival Jazz em Agosto. A 28ª edição do evento teve inicío na noite de ontem, com a apresentação do gênio Cecil Taylor.

Começando timidamente em 1984, focado em artistas locais, o Jazz em Agosto pode ser considerado hoje com tranqüilidade um dos eventos centrais da música livre atual. Basta ver quem completa o line up desta sua 28ª edição para entender a afirmação: após Cecil Taylor e Ingrid Laubrock/Mary Halvorson, seguem Peter Brotzmann (Hairy Bones); Ken Vandermark/Nilssen-Love Duo (com The-Ex Guitars); Wadada Leo Smith; Mats Gustafsson (Fire!); Humanization 4TET; e Darius Jones (Littlle Women), tudo isso concentrado em poucos dias, entre 5 e 14 deste mês.

O palco central do evento é montado em meio a um parque repleto de árvores e, conta-se, é possível ouvir, enquanto os músicos estão em ação, a algazarra dos patos que habitam um lago que rodeia o museu da Fundação .
Além dos concertos, o público poderá assistir sessões de cinema, que contarão com os filmes: “Cecil Taylor: All The Notes”, “Black February: a film about Butch Morris”, “Play Your Own Thing/A Story of Jazz In Europe” e “Femmes Du Jazz/Women In Jazz”.

3 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

Se a brisa não faltar ouvir-se-á também o marulhar das folhas das árvores. Os jardins têm recantos que permitem até a privacidade de algum namoro. Com a música deste tempo existem esculturas contemporâneas espalhadas pelo parque. Paralelamente o Centro de Arte Moderna exibe a obra do artista português contemporâneo João Penalva. Não podia haver melhor coincidência.

fabricio vieira disse...

obrigado pelo testemunho, Luis!
pena estar bem longe daí... as próximas noites prometem ser grandiosas!

Antonio Sevilha disse...

Só resta a inveja de não poder estar em algo do tipo.