FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sábado, 21 de julho de 2012

Quem tem medo de Peter Brötzmann? (V)


Não são poucos os músicos de relevo que tiveram filhos desenhando também sua trajetória no mundo artístico-sonoro, com resultados por vezes tão (ou menos, claro) interessantes que seus genitores. Apenas pensando em uma seara próxima, não faltam exemplos: Ornette e Denardo Coleman; Dewey e Joshua Redman; Karlheinz e Markus Stockhausen; Thelonious e T.S. Monk; Von e Chico Freeman; Don e Neneh/Eagle-Eye Cherry; John/Alice e Ravi Coltrane. Adensando essa lista, estão lá também Peter e Caspar Brötzmann.

Nascido em dezembro de 1962 em Wuppertal, quando Peter Brötzmann tinha apenas 21 anos e ainda tateava o caminho que sedimentaria sua história futura, Caspar se tornou guitarrista e optou por não seguir a linhagem free improv/free jazz que fez de seu pai uma das figuras mais destacadas da música contemporânea. Sem querer correr o risco de ficar à sombra paterna, Caspar se embrenhou por certa seara rocker de expressão mais arisca. Em seu percurso, iniciado profissionalmente nos anos 80, destaca-se o grupo “Massaker”, power trio que fez sua celebrada gravação de estreia, “The Tribe”, em 1987. A banda teve sucesso no underground até os anos 90, quando seus integrantes buscaram novos ares. Mesmo atento ao campo rocker mais avant e noise, Caspar nunca procurou se misturar com o mundo sonoro de Peter, tendo tido poucos encontros com o universo free. Algumas de suas parcerias que merecem atenção são a com o percussionista F.M. Einheit, da lendária banda industrial Einstürzende Neubauten, com quem gravou “Merry Christmas” (94); e com o também guitarrista Page Hamilton, com quem editou “Zulutime” (96). Nesta noite (exatamente hoje, 21/07!), Caspar tem agendado um concerto no “A-Larme Festival”, na Alemanha, ao lado de Marino Pliakas e Michael Wertmüller, parceiros de seu pai no Full Blast. No mesmo festival, Peter tocará com Keiji Haino...



Pai e filho, Peter e Caspar Brötzmann, se encontraram em estúdio somente uma vez, em agosto de 1990, quando gravaram o álbum Last Home. O disco mostra o quanto de sintonia os Brötzmann eram capazes de gerar, como se parceiros antigos de free improvisation fossem. Caspar se filia a uma linhagem de guitarras que muito deve a figuras como Haino e Takayanagi, fazendo de seu instrumento uma máquina de ruidosidade de múltiplos ecos e cores, entre os quais o sopro de Brötz chafurda, se dilui e se acopla para destilar duos fulminantes de imensa energia. Basta uma ouvida em temas como "Yazzihamper", "Die Saurier Die" e "Little man in the boat" para sentir a tensa sonoridade exibida pela dupla. Enquanto Peter se reveza nos saxofones (bass/tenor), clarinete e tarogato, Caspar trabalha sua guitarra elétrica, cheia de efeitos e ruídos. Last Home apareceu em 1990 em vinil e CD, para depois ser esquecido, jamais resgatado.
O motivo de os Brötzmann nunca terem voltado a se reunir após o resultado do encontro ter sido tão potente?  Sabe-se lá, coisas de pai e filho...



Nenhum comentário: