FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

terça-feira, 8 de abril de 2014

Free Jazz Underground: “Seikatsu Kojyo Iinkai” (1975)



Não são poucos os álbuns esquecidos gestados no território da free music. Muito material editado nas décadas de 1960 e 1970 de forma independente ou por pequenos selos de vida breve jamais recebeu reedição. Não fosse o trabalho de divulgação por meio virtual, estariam relegados à estante e audição de raros colecionadores ou antigos entusiastas da música livre. Seikatsu Kojyo Iinkai é uma dessas preciosidades perdidas que sobrevive por meio de poucas cópias lançadas há quase quatro décadas...



Testemunha da era do “loft jazz”, Seikatsu Kojyo Iinkai é um projeto que uniu jovens instrumentistas japoneses e norte-americanos em torno do imperativo de criar música livre em um período em que o free jazz se firmava como uma realidade artística sem fronteiras, uma expressão sonora universal.

Tudo começa quando o saxofonista japonês Kazutoki Umezu desembarca nos Estados Unidos, em 1974. Umezu, então com 25 anos de idade, tinha estudado na Kunitachi Music College, onde se especializou no sax alto. Estando envolvido com o frutífero cenário free/jazzístico japonês, decidiu, àquela altura, ir à fonte primária para ampliar sua experiência com a música livre: destino, NY. Junto com ele, foi seu amigo de escola Yoriyuki Harada, pianista que tinha 26 anos. Em Nova York, os dois japoneses se integraram à cena loft, tornando-se figuras fáceis no “Studio RivBea” (de Sam Rivers), no “Ali’s Alley” (de Rashied Ali) e no “Studio We”, onde gravariam Seikatsu Kojyo Iinkai. Entre 74 e 75, os dois tiveram a oportunidade de tocar com muitos dos músicos que faziam a cena acontecer, participando em diversas gigs de grupos importantes do período, como o “Aboriginal Music Society”, do percussionista Juma Sultan, e o “Energy Ensemble”, do trompetista Ted Daniel.

É nesse contexto que Umezu (na época conhecido como “Kappo”) se une ao baixista William Parker, ao trompetista Ahmed Abdullah e ao baterista Rashid Shinan, todos também em início de carreira, para registrar Seikatsu Kojyo Iinkai. Parker contava com 23 anos, tinha estreado em gravações um pouco antes, em Black Beings (73), de Frank Lowe, e começava a se destacar como um dos mais ativos e instigantes baixistas da área. Para Ahmed Abdullah, aquela seria a primeira gravação oficial. Aos 28 anos, o trompetista estava na época se associando à Sun Ra Arkestra, da qual faria parte até os anos 90. Shinan (que em gravações posteriores aparece como “Sinan”) seria o que menos registros faria desde então; seu nome costuma ser mais lembrado por alguns trabalhos que fez com Lowe e Arthur Doyle nos anos 70 e 80.

O Studio We, que ficava localizado na Eldridge Street, no Lower East Side, serviu de ponto de encontro para a sessão que gerou o álbum Seikatsu Kojyo Iinkai. Era o dia 11 de agosto de 1975. Junto ao quinteto, estava o percussionista Ali Abuwi, que aparece nos créditos apenas como “engineer”. Mesmo assim, dentro do espírito coletivista da época, Abuwi está também na foto da capa do disco, junto aos cinco instrumetistas. O álbum costuma ser creditado a Kappo Umezu, apesar de parecer ser mais um trabalho de criação conjunta. De qualquer forma, vale notar que “Seikatsu Kojyo Iinkai” (que significa algo como “Comitê para melhoria da vida”) era o nome do primeiro grupo montado por Umezu, ainda no Japão, quando estava na escola de música. Além disso, alguns anos depois, quando regressa a seu país, Umezu organizaria a “Seikatsu Kojyo Iinkai Orchestra”, com a qual gravaria o disco “This is Music is This!?”, em 79, apenas com artistas japoneses. A gravação feita naquele dia no Studio We ganharia vida física apenas no Japão, sendo editada de forma independente, mas tendo apoio da Alm Records (selo japonês criado em 74, responsável por alguns registros de Kaoru Abe) na distribuição.   

Trazendo apenas três faixas, o álbum as registra como sendo duas composições de Umezu (lado B) e uma de Harada (lado A). Mas como estamos no território comandado pela improvisação livre, não se tratam propriamente de composições, de peças que se desenvolvem e podem ser reproduzidas com fidelidade ao vivo. Há sim, por exemplo, elementos que sinalizam ter sido compostos, como o tema de introdução que abre “Stravizauls”. Esse breve tema é primeiramente repetido quatro vezes por sax e trompete (em primeiro plano), sendo cortado por ligeira entrada da bateria, para logo ser retomado; repetido mais quatro vezes, o tema se dissipa, sendo dragado pela entrada em um campo mais livre, marcado pelo ataque voraz do sax, que ficará no comando até o retorno do trompete, só lá pelos nove minutos. O tema de introdução será recaptulado para fechar a peça, após os 21 minutos. Por possível problema técnico, o sax fica bastante ao fundo nesta primeira faixa, com o trompete aparecendo sempre em destaque quando os dois sopros rivalizam ou dialogam.
Kim” abre o lado B com o piano centrando os primeiros quatro minutos de audição, com um sombrio e profundo toque. O sax surge aos poucos, em crescendo, e o diálogo entre os dois se estende até quase os oito minutos, quando Shinan se junta à dupla: é aí que entramos nos momentos mais furiosos do álbum, com Umezu em plena forma, destilando um extenso e enérgico solo (aqui o podemos ouvi-lo bem melhor que no lado A) até os treze minutos, quando Abdullah assume a dianteira – “Kim”é o melhor exemplar do conjunto e um dos momentos quentes do período. O disco fecha com a breve “Not So Long Don”, de aproximadamente dois minutos, com espírito distinto do restante, soando mais como uma brincadeira com rudimentos do universo jazzístico, que remete sem esforço a certas descompromissadas intervenções do AEOC.
Fundamental para entender o espírito livre e coletivo que animava os anos 70 no cenário free/jazzístico, este registro merece ser conhecido e apreciado por todos interessados em música criativa e livre.


Seikatsu Kojyo Iinkai é um dos álbuns que aparecem no antológico “Top Ten from the free jazz underground”, de Thurston Moore. Sobre o disco, escreveu o guitarrista:

Free jazz of course made a strong impression on the more existential-sensitive populace of Japan. Some real masters came out of the Japanese scene and were influential to some of the more renowned noise artists of today (Boredoms, Haino Keiji). One such Jap-cat is alt-saxist Dr. Umezu who has mixed it up with NYC loft-dwellers on more than one occasion. On this completely obscure, underground release he unleashed some pretty free shit with the likes of William Parker, Ahmed Abdullah and Rashid Shinan.



SEIKATSU KOJYO IINKAI



Side A
Stravizauls

Side B
Kim
Not So Long Don




Recorded at Studio We, August 11th, 1975

  





-----------------------------
Free Jazz Underground é uma série que busca resgatar e apresentar álbuns esquecidos, nunca reeditados, de artistas que contribuíram, de alguma forma, para o desenvolvimento da música livre.

Nenhum comentário: