FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Apresentando: William Parker






Um dos maiores baixistas desde sempre, compositor, poeta, multi-instrumentista. Este é William Parker, que se apresentará com seu quarteto no festival Jazz na Fábrica (SP), no mês de agosto.
Conhecer a obra de Parker significa descobrir um pouco do que de mais relevante a free music gestou nas últimas décadas.




Nascido no Bronx, NY, em janeiro de 1952, William Parker dedicou toda sua vida à música. Começou a estudar e tocar ainda na infância. Teve aulas de baixo com figuras como Jimmy Garrison e Richard Davis e, lá pelos 20 anos, já estava integrado à efervescente cena free jazzística novaiorquina. Circulando pelos lofts onde acontecia a música naqueles tempos – em especial o Studio Rivbea, mítico espaço aberto por Sam Rivers (1923-2011) no começo dos anos 70 –, passou a dividir gigs com alguns dos maiores da cena, Rashied Ali, Arthur Williams, Rashid Bakr, Sunny Murray, Dennis Charles, Billy Higgins, Daniel Carter, Charles Tyler e outros.
(by Tom Marcello)
Em 1973, aos 21 anos, participa de sua primeira gravação, “Black Beings”, com o saxofonista Frank Lowe. Ainda naquela década gravaria com ‘Kappo’ Umezu (“Seikatsu Kojyo Iinkai”, 75), Billy Bang (“New York Collaage”, 78), Peter Khun (“Livin’ Right”, 79) e Jemeel Moondoc (“First Feeding”, 77), com quem tocaria por vários anos no grupo Muntu. Os anos 1970 também marcam suas primeiras investidas como líder. Antes de a década terminar, edita “Through Acceptance Of The Mystery Peace”, seu álbum de estreia, que reúne takes com diferentes formações comandadas por Parker entre 74 e 79.

Apesar desses primeiros anos promissores, Parker apenas passaria a gravar suas criações e projetos com regularidade a partir dos anos 90. Não que ele tenha ficado parado em algum momento. No início da década de 1980, se junta à banda de Cecil Taylor, com quem tocaria regularmente por mais de dez anos. Também data desta época outra associação fundamental em sua história, a parceria com o saxofonista David S. Ware, que acompanha até a morte deste, em 2012. Ainda nessa década, vale citar um outro projeto de destaque em sua trajetória: o quarteto Other Dimensions in Music, que colidera ao lado de Daniel Carter, Roy Campbell Jr. e Rashid Bakr. O grupo se tornou destaque no meio, com sua intensa proposta de improvisação coletiva, tendo gravado seu álbum de estreia, homônimo, em 1989, que foi seguido pelo não menos empolgante “Now” (98) e o mais recente “Live at the Sunset” (2007). Ainda merece atenção em seu percurso outro quarteto, o Die Like a Dog, que reuniu em meados dos anos 90 Parker, Peter Brotzmann, Hamid Drake e o trompetista japonês Toshinori Kondo.
     
(by Claudio Casanova)
Entre o arco e o pizzicato, Parker construiu um idioma abrangente, que ora atravessa linhas amelódicas e dissonantes, de intensidade quase percussiva, ora se dissolve em temas circulares hipnóticos, profundos, que impregnam e inebriam o ouvinte, fazendo as notas dançarem em ritmicidade contagiante, em meio a texturas e técnicas variadas. Aberto aos sons do mundo, Parker também trouxe para sua criação vários instrumentos de percussão e sopro (bombarde, shakuhachi, goblet drum, balafon), que explora em diferentes contextos (especialmente em trabalhos com Hamid Drake), e o guimbri, um tipo de baixo do Marrocos.



Parker também desenvolveu papel de relevo como organizador e divulgador da free music. Em 1984 criou, ao lado de sua companheira, a coreógrafa e dançarina Patricia Nicholson, o “Sound Unity Festival”, retratado no documentário “Rising Tones Cross”. Já na década de 90, deu início ao "Vision Festival", que está em atividade até hoje, tendo se solidificado como um dos mais importantes eventos anuais dedicados à música e à arte livres. O Vision Festival tem sobrevivido há quase duas décadas sem investimento de nenhuma grande empresa ou marca. O baixista já declarou que seria impensável para ele fazer uma parceria dessas, mesmo que significasse mais recursos e divulgação, pois seria complicado conseguir preservar intacta a integridade artística do evento. Dessa forma, prefere conduzir um projeto de menores proporções e recursos do que criar riscos indesejáveis. Para completar suas credenciais, o músico dedica-se ao ensino, tendo dado aulas em Bennington College, NYU, The New England Conservatory of Music e Rotterdam Conservatory of Music. Há ainda a faceta de escritor; Parker tem livros publicados (“Who Owns Music?”, “Conversations”, “Sound Journal”) com sua poesia, ensaios e artigos sobre cultura e política.


(by Jason Andrew)
Desde a década de 1990, Parker liderou diferentes projetos, de propostas e resultados bastante variados. Alguns seguem ativos, outros não. Dentre esses, há os que merecem atenção redobrada. O primeiro imprescindível é o quarteto In Order to Survive, do qual participaram, ao lado de Parker, a baterista Susie Ibarra, o saxofonista Rob Brown e o pianista Cooper-Moore. O grupo ficou ativo durante os anos 90 e deixous três fantásticos registros. Nessa época, Parker começou também a comandar uma big band, a The Little Huey Creative Music Orchestra. Com formações (variáveis) que chegam a uns 20 membros, a big band se mostrou um veículo fundamental para Parker desenvolver seu trabalho como compositor. Ainda em atividade, a big band editou seu primeiro registro, “Flowers Grow in my Room”, em 1994. Entre vários títulos desde então, um obrigatório é o disco duplo “Mayor of Punkville” (2000). Outro projeto nuclear no trabalho do músico é o William Parker Quartet, criado em 2000 ao lado de Rob Brown, Lewis Barnes e Hamid Drake. Com cinco brilhantes títulos editados, o quarteto virá ao Brasil em agosto. 


Com uma discografia que se estende por muitas dezenas de títulos, como líder, colíder e sideman, Parker é responsável por um capítulo fundamental da música livre e criativa gestada nas últimas quatro décadas. Para quem não se embrenhou muito por sua obra, selecionamos alguns álbuns obrigatórios, que devem fazer parte de qualquer discoteca básica de free music e que mostram a amplitude da música deste que é um dos maiores artistas em atividade.





*5 Álbuns (+1) essenciais de William Parker*




“Sunrise in the Tone World
AUM Fidelity
Ano de gravação: 1995

Este é o segundo álbum lançado pela The Little Huey Creative Music Orchestra e apresenta faixas captadas no Knitting Factory em quatro diferentes noites de fevereiro de 95. Com um extenso grupo que contava com nomes como os saxofonistas Vinny Golia, Marco Eneidi e Assif Tsahar, além de Ibarra, Brown, Steve Swell e Roy Campbell, exibe toda a complexidade da band, em suas diferentes faces, com momentos de fúria enérgica (“The Bluest J”) entre temas mais relaxados, como a belíssima faixa-título (que vale, sozinha, o disco). 





“Compassion Seizes Bed-Stuy”
Homestead Records
Ano de gravação: 1995

Primeira gravação do quarteto In Order to Survive, formado por Parker (baixo), Susie Ibarra (bateria), Rob Brown (sax alto) e Cooper-Moore (piano), este registro de dezembro de 95 exibe denso lirismo e sufocantes melodias, que culminam com a coltraneana “The Eye of the Window”. Ideal para ouvir o brilhantismo do Parker instrumentista, também responsável aqui pelas composições – é incrível como seu baixo está no centro das peças; basta escutar os primeiros minutos do tema de abertura para comprovar sua genialidade.






“O’Neal’s Porch”
Centering/ AUM Fidelity
Ano de gravação: 2000
Este disco marca a estreia do William Parker Quartet, criado naquele ano pelo músico com Rob Brown, Lewis Barnes (trompete) e Hamid Drake (percussão). Aqui estão todos os elementos que acompanhariam o quarteto nesses 15 anos de atividade, com muito groove, energia free jazzística, temas pós-bop e improvisação solta. A irresistível “Purple” abre o disco e torna inevitável o convite a seguir ouvindo o registro até o fim. Na sequência, “Sun” (versão de “Sunrise in the Tone World”) arrebata os ouvidos e nos leva à swingante faixa-título. Possivelmente está entre os trabalhos mais acessíveis de Parker, o que não diminui em nada sua grandiosidade.    




“Scrapbook”
Thirsty Ear
Ano de gravação: 2002

Surpreendente gravação em trio com Hamid Drake e o violinista Billy Bang, antigo parceiro de Parker nos anos 70. Essa formação de baixo, violino e bateria já havia rendido momentos preciosos na free music, com o Revolutionary Ensemble. Mas esse registro não fica nada atrás. Contagiante desde seu primeiro minuto, Scrapbook traz o duo Parker/Drake em sintonia telepática e um Bang endiabrado, fazendo coisas impressionantes e incendiárias com o violino. Blues, spirituals, energy music, elementos múltiplos entram na composição das fantásticas seis faixas do disco.





Double Sunrise over Neptune
AUM Fidelity
Ano de gravação: 2007

William Parker reuniu um grupo peso pesado do free para estrear essa sua ambiciosa composição, no Vision Festival de junho de 2007. Estão presentes Joe Morris (guitarra e banjo), Jessica Pavone (violino), Sabir Mateen e Rob Brown (saxes), Gerald Cleaver e Hamid Drake (bateria), dentre outros. Nessa longa peça, dividida em quatro temas, o músico explora sonoridades orientais, que ganham tempero especial quando desponta a voz da indiana Sangeeta Bandyopadhyay, cantando letras (em inglês) escritas por Parker. Uma peça de sabor e colorido únicos.






Wood Flute Songs
AUM Fidelity
Ano de gravação: 2006/12


Box com oito discos que reúnem gravações ao vivo realizadas entre 2006 e 2012. Parker se apresenta em quarteto, quinteto, septeto e grande conjunto. Metade dos discos é dedicada ao William Parker Quratet; os outros incluem músicos como Billy Bang, Cooper-Moore, Leena Conquest e o AMR Ensemble. O box representa um amplo retrato do trabalho atual de Parker, destacando suas faces de compositor, solista e líder, sendo uma introdução vigorosa à sua obra recente.







“WILLIAM PARKER Quartet”

Quando: 15/8 (sab), às 21h; e 16/8 (dom), às 19h
Onde: Teatro do Sesc Pompeia (SP)
Quanto: R$ 15 a R$ 50 (inteira)






-------------------
*quem assina...
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado em Literatura, tendo se especializado na obra do escritor António Lobo Antunes. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos e foi correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico; também colabora com o site português Jazz.pt

Nenhum comentário: