FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sexta-feira, 31 de julho de 2015

William Parker: "A ideia do quarteto é incluir todas possibilidades em música"




O baixista e compositor novaiorquino William Parker virá com seu quarteto ao país para dois concertos no mês de agosto, dentro do festival Jazz na Fábrica, que acontece no Sesc Pompeia (SP). Antes de desembarcar por aqui, Parker conversou com o FreeForm, FreeJazz sobre sua música e os múltiplos projetos que conduz.





FF: Esta é a primeira vez que vem ao Brasil com um projeto seu. Gostaria que falasse um pouco sobre o William Parker Quartet e os concertos que fará no país.

Parker:O William Parker Quartet existe desde maio de 2000, são 15 anos anos de existência com a mesma formação. Rob Brown no sax alto, Lewis Barnes no trompete, Hamid Drake na bateria e eu no baixo. Nós tocamos cerca de 200 composições originais com o grupo. Para nossos concertos no Brasil, apresentaremos algumas peças do nosso songbook e também novos temas. Temos uma nova composição dedicada ao Horace Silver e também um novo tema bebop chamado ‘Tecumsech’, dedicado ao chefe indígena Shawnee.



FF: Como chegou à essa música e escolheu o baixo como principal instrumento? O sr. toca e coleciona instrumentos menos usuais também...

(Instrumentos na casa de Parker)
Parker:Quando eu tinha sete anos meu pai chegava em casa depois do trabalho e imediatamente colocava para tocar o disco ‘Ellington Live at Newport 56’, eu e meu irmão Tommy ficávamos lá ouvindo Diminuendo and Crescendo in Blue, que tem  um longo solo do tenorista Paul Gonsalves. Essa era nossa rotina noturna; passados um ou dois anos, meu pai chegou em casa com instrumentos musicais para nós, um trompete para mim e um saxofone para meu irmão. Depois, passaríamos a ter aulas e acabei mudando para o trombone, depois para o violoncelo e, eventualmente, trocava pelo baixo. O sonho do meu pai era que um dia eu viesse a tocar na orquestra do Ellington. Depois eu compreendi que poderia mesmo contribuir com a música através do baixo. Daí estudei com Richard Davis, Art Davis, Milt Hinton, Jimmy Garrison e Wilbur Ware.
“Eu passei a me interessar por instrumentos de todo o mundo numa época em que me reunia com Donald Garrett e Don Cherry. Também por minha busca por sons que estivessem mais perto da terra e mais distante do piano. Eu adquiri minha primeira flauta shakuhachi em 78 e comprei um Kora [instrumento de cordas africano] mais ou menos nessa época também.


FF: O sr. já tocou com uma extensa lista de músicos excepcionais. Mas gostaria de destacar duas longas associações em particular: como se deu seu encontro com Cecil Taylor? E a parceria com David S. Ware?

Parker:A primeira vez que toquei com Cecil Taylor foi em 1974 no Carnegie Hall, eu fui apresentado ao Cecil pelo trompetista Arthur Williams. O David S. Ware tocou no mesmo concerto e eu reencontrei David um ano depois. Eu entrei para o Cecil Taylor Unit em dezembro de 1980 e toquei com ele até 1991. Eu me juntei ao grupo do David S. Ware em 1988 e tocamos juntos até sua morte, em 2012.”  


FF: O sr. tem trabalhado como líder cada vez mais. De que maneira sua forma de lidar com a música se altera nesse contexto?

Parker:Eu tenho o quarteto, um sexteto chamado Raining on the Moon, a The Little Huey Creative Music Orchestra, dentre outros projetos, como o Martin Luther King series, música para dança, o Ellington Project, o The Curtis Mayfield Project etc. Em todos esses projetos é minha responsabilidade organizar a música, sempre que necessário, para ajudar a trazer essa música para a vida, melodias, ritmos, ou muitas vezes simplesmente deixando os músicos tocarem da melhor forma que sabem fazer. A música gira pela minha cabeça durante todo o dia e toda a noite, e eu a escrevo pensando nos instrumentistas ou apenas seleciono o som que vai fazer as coisas flutuarem...”   


FF: Como a estrutura do William Parker Quartet se encaixa em seus conceitos musicais?

Parker:A ideia do quarteto é incluir todas as possibilidades em música. Ter melodias e ritmos dançando ao redor, com os músicos tendo liberdade para irem até onde e como acharem que devem, acelerando, tocando lentamente, acelerado contra lento, latin jazz, elementos de world music, bebop, space music, blues e gospel.


FF: Sua música é muito orientada ao diálogo com o público. Gostaria de saber o quanto as coisas são diferentes quando está em estúdio.
  
Parker:Uma gravação em estúdio é como estar olhando um pôr do sol. Uma apresentação ao vivo é como estar dentro do pôr do sol.

(William Parker Quartet)

FF: O sr. está muito ligado também ao Vision Festival. Como surgiu a proposta desse evento?

Parker:O Vision Festival foi fundado em 1996 pela coreógrafa e dançarina Patricia Nicholson, ela tem sido a responsável pela organização durante esses quase vinte anos, eu estou no conselho curador do festival e sei que, com certeza, recebo crédito demais pelo evento. Ele existe devido aos esforços da Patricia; o festival abrange improvised music, poesia criativa, dança e artes visuais. É um evento anual, que se estende por seis dias em junho ou julho.


FF: O que seria a Creative Improvised Music, que é como chama a música que faz?   

Parker:Creative Improvised Music é qualquer música que se desenvolve, quando tocada, para gestar algo maior que ela mesma. O que a música é depende sempre do sistema improvisacional utilizado pelo músico.

  

FF: Uma de suas mais recentes gravações é o belíssimo 'To Roy', concebido com o saxofonista Oliver Lake. O que pode contar sobre esse trabalho? E o que vem por aí? 

Parker:Eu já toquei com o Oliver Lake em diferentes formações nesses anos todos. O pessoal da Intakt viu a gente tocando e perguntou se não queríamos fazer algo em duo. Oliver trouxe algumas peças suas e eu levei outras, e foi ótimo. Eu tenho agora um box com 3 Cds [“For Those Who Are Still”, pela AUM Fidelity] para ser lançado em agosto. Essa gravação apresenta minha primeira peça para orquestra sinfônica.



(William Parker, Patricia Nicholson, Hamid Drake. @The Stone, 2013)




WILLIAM PARKER Quartet

Quando: 15/8 (sab), às 21h; e 16/8 (dom), às 19h
Onde: Teatro do Sesc Pompeia (SP)
Quanto: R$ 15 a R$ 50 (inteira)




 -Photo (instruments): by Jason Andrew, WSJ


-------------------
*quem assina:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado em Literatura, tendo se especializado na obra do escritor António Lobo Antunes. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos e foi correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico; também colabora com o site português Jazz.pt



Nenhum comentário: