FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Free Jazz Underground: (alguns) álbuns esquecidos dos anos 60 e 70


Não são poucos os álbuns esquecidos gestados no território da free music. Muito material editado nas décadas de 1960, 70 e 80 de forma independente ou por pequenos selos de vida breve jamais recebeu reedição. Não fosse o trabalho de divulgação por meio virtual, estariam presos à estante e audição de raros colecionadores ou antigos entusiastas que puderam adquirir essa música quando ela apareceu.



Pode soar estranho falar de free jazz underground, sendo que essa música é underground por essência, assim como o grindcore ou o black metal. Mas há uma porção mais obscura e ignorada dentro do próprio free jazz (e da free improvisation). Nessa seara musical, também há extratos, com muitos permanecendo na superfície, rondando apenas os ídolos maiores do gênero, as gravações clássicas e os selos de culto (Impulse, FMP, ESP-Disk, BYG/Actuel, Incus, Hat Hut...), sendo que muitos grandes músicos e álbuns acabam ficando no limbo. Pensando nisso, destacamos 15 álbuns importantes estética e historicamente, já fora de catálogo, lançados em cerca de uma década entre meados dos anos 60 e o fim dos anos 70, e que nunca receberam uma nova edição. A audição desses discos – criações de músicos vindos de Suécia, Finlândia, Alemanha, Egito, Israel, Bélgica, EUA, Japão –, que são apenas alguns exemplos dentre muitos outros possíveis, apresenta novas possibilidades de se encarar e desbravar a free music... Free the Jazz!




The Dragon Suite
Marc Levin
Savoy
1967 
O flautista e trompetista Marc Levin deixou poucas gravações, sendo este The Dragon Suite seu primeiro trabalho. Levin estudou com Bill Dixon (que produziu este álbum) e se mudou de NY para a Europa em meados dos anos 70, se estabelecendo na Dinamarca. Seus últimos registros datam da década de 1980 – em um fórum, conta-se que passou a trabalhar com psicoterapia. Para The Dragon Suite, convocou um quinteto – que chamou de “Free Unit” – que trazia o trombonista sul-africano Jonas Gwangwa, Calo Scott (violoncelo), Frank Claiton (bateria) e o grande baixista Cecil McBee. O disco saiu nos EUA (Savoy) e na França (BYG) e depois foi esquecido. O que se ouve aqui é um free mais contemplativo, nada da energy music novaiorquina de então.





Natural Music
Bengt Nordstrom
Bird Notes
1968 
O saxofonista Bengt ‘Frippe’ Nordstrom (1936-2000) é um dos pais do free jazz na Suécia. Sempre citado como importante referência por Mats Gustafsson, Nordstrom produziu o disco de estreia de Albert Ayler (“Something Different!!!”), em 62, para seu selo Bird Notes – pelo qual também editaria suas primeiras gravações, sempre em formato  artesanal. Depois de gravar com Don Cherry, em 63, Nordstrom lançou o que seria seu primeiro álbum oficial como líder, Natural Music. O disco traz duas longas improvisações; no lado A, temos um duo de sax alto e contrabaixo (a cargo de Sven Hessle); na face B, uma longa peça (“Spontaneous Creation”) para tenor solo – ele é um dos pioneiros nas gravações de peças para sax solo no universo do free. As líricas e relaxadas improvisações do saxofonista talvez ilustrem seu perfil discreto: centrado na cena local, Nordstrom deixou poucos registros e tem seu legado menos reconhecido do que deveria.




Nature’s Consort
Nature’s Consort
Otic Records
1969 

Quinteto do qual há apenas este registro, o Nature’s Consort trazia uma formação clássica: Mark Whitecage (saxes), James Duboise (metais), Bobby Naughton (piano) Mario Pavone (baixo) e Laurence Cook (bateria). Apesar de não ser indicado um líder, as composições são quase todas de Naughton. São cinco faixas, com momentos mais enérgicos proporcionados apenas pelos solos de sax e metais – a música soa, de um modo geral, menos quente do que se pode esperar de NY naquela década. A adição do piano elétrico em alguns momentos, como na faixa “Nital Rock”, muda a atmosfera, gestando algo mais grooveado. O resultado geral pode não chegar a ser brilhante, mas tem momentos fortes e mostra um grupo de músicos jovens buscando um caminho diferente, arriscando a não apenas seguir seus mestres. Do grupo, Whitecage e Pavone seriam os mais frutíferos, com maior repercussão no futuro, se mantendo em atividade até hoje. 




The Third World
Abdul Hannan
Third World
1968/71 
Este é um disco que bem representa o espírito DIY que sempre acompanhou o universo do free jazz. Liderado pelo obscuro saxofonista Abdul Hannan (nascido Joel Hannah), o disco foi editado de forma independente, tendo sido gravado na casa dele. São três temas, registrados em duas ocasiões, em 68 e 71. O núcleo do álbum é a peça “Awareness”, que aparece em duas partes, totalizando mais de 25 minutos. De bônus, há a mais breve “Wind and wood, band of Steel” (gravada com a Silver Star Steel Orchestra).“Awareness” é executada por um sexteto, com saxes, piano, violino, baixo e percussão. A música é construída tendo por base sopros rasgantes e elementos percussivos afros, permeada por algum lirismo vindo do piano, soando muito em sintonia com o que Pharoah Sanders vinha produzindo no período. Além da viva música, há um interesse extra: a gravação é a primeira em que o saxofonista David S. Ware aparece.




Orangutang!
G.L. Unit
Odeon
1969/70 
Esse clássico do free sueco foi editado na época por um grande selo, mas nem por isso voltou a catálogo. A big band comandada pelo saxofonista Gunnar Lindqvist (1937-2003) apresenta quatro temas, sendo os três primeiros (“Waves”, “Experience X” e “Orangutang”, que formam uma pequena suíte) registrados em março de 69, compondo o lado A do LP. Virando o disco, encontra-se a última faixa (em três sequências: “Freedon-Equality-Brotherhood”),registrada um ano depois, com um colorido bem distinto. Estão aqui presentes alguns dos nomes mais expressivos do free da Suécia, como o percussionista Sven-Ake Johansson e os saxofonistas Bernt Rosengren e Bengt ‘Frippe’ Nordstrom. E o resultado é sensacional. A criação coletiva é o que dá o tom ao trabalho – com efeitos  diferentes, pois não são exatamente os mesmos músicos que participam das duas sessões. O jogo entre os vários sopros (saxes alto, tenor, soprano, barítono, trompete, clarinete, flauta) é o forte da música, assumidamente ligada às concepções de Don Cherry. Lindqvist, que também era produtor e compositor, aparece aqui tocando tenor, clarinete, flauta e piano, além de assinar as faixas – apesar de o teor do conjunto ser a improvisação coletiva.




Heliopolis
Cairo Free Jazz Ensemble
Goethe Institut
1970 
Comandado pelo baterista egípcio Salah Ragab (1936-2008), este é um incrível exemplar do free fora de seu centro habitual. Ragab deixou o exército de seu país nos anos 60 para se dedicar à música, tendo criado seu primeiro grupo de jazz naquela década. Depois se interessou pelo universo do free, sendo Heliopolis seu grande registro. Para este trabalho, ele reuniu uma big band formada por muitos sopros, percussão e piano, criando uma música de intensa vitalidade e colorido por vezes exótico. São apenas três extensos temas, indo de uma peça mais estruturada (“Turnus”) à improvisação enérgica mais direta (“Liberty for Iratilim”). Devedor de Sun Ra e sua Arkestra, Ragab chegou a subir no palco com eles, em meados dos anos 80.





Penselmann Hits Vol.2765
Tuohi Klang
UFO
1972 
Esse sexteto vindo da Finlândia traz em sua base o baterista Edward Vesala (1945-1999), o mais destacado nome do free do país, que deixou gravações com Peter Broetzmann  e Tomasz Stanko. A ele se juntam nessa empreitada dois saxes, trombone, trompete e baixo. Não se trata propriamente de improvisação livre; apesar da liberdade improvisativa, há temas que regem a música gestada, com algumas curiosas melodias (como o ar marcial-circense de “Marssi for Keinonen”). Vale destacar a longa experiência dos saxofonistas Pekka Poyry (soprano e alto) e Seppo Paakkunainen (barítono) que, apesar de serem pouco conhecidos no ocidente, contam com dezenas de gravações em seus currículos. A intrigante “Kling Klang”, com seus ataques e cortes bruscos – e os mais intensos solos do conjunto – fecha o álbum em grande estilo.




That  Nigger Music
Les Oubliés de Jazz Ensemble
Touché
1972 
É difícil encontrar informações sobre esta gravação. Quando alguém se lembra do álbum, é muito mais pela participação de Sonny Simmons (sax) e Barbara Donald (trompete) no grupo que contou com onze músicos. Apesar de, sem dúvida, serem eles as principais referências, apenas o baterista William ‘Smiley’ Winters é destacado na capa do disco –e este não soa como um álbum de Simmons/Donald. Ou seja, se alguém comandou essa sessão em 72 foi Winters. O conteúdo é muito grooveado, sem longos solos ou intensidade free. O disco abre com uma longa introdução conduzida pelo canto-fala de Marie Braure, acompanhada apenas por baixo, bateria e piano elétrico. Somente passados uns oito minutos, é que os instrumentos de sopro entram em campo, ecoando o tema cantarolado por uma voz masculina – difícil se despregar da melodia depois. Como logo dá para sentir, não se trata de um trabalho pesado. Mas não menos contagiante por isso.




Sound Craft 75 – Fantasy for Orchestra
The Universal Jazz Symphonette
Anima
1975 
A The Universal Jazz Symphonette não foi um grupo regular, tendo sido organizado pelo baixista Earl Freeman para a exibição deste seu projeto. A orquestra montada para aquela noite de fevereiro de 75, na Washington Square Methodist Church, em Nova York, trazia jovens que depois se tornariam referência na free music, como William Parker, Daniel Carter e Billy Bang. Registrado ao vivo, Sound Craft 75 apresenta três composições de Freeman, sendo seu trabalho mais ambicioso. Além de mais de 25 instrumentistas, subiram ao palco dançarinos, criando o que deve ter sido um complexo espetáculo – infelizmente não há imagens do evento. A música aqui é grandiosa, improvisação coletiva de densas massas sonoras, com os sopros sendo privilegiados (ao menos soa assim na gravação, que não é muito boa...). Em contraste com certa caoticidade da faixa de abertura, “Nemesis”, o lado B começa em outro tom, com uma voz feminina recitando um texto (de cunho religioso), enquanto ouve-se alguns rumores dos trompetes e saxes ao fundo. Mas essa calmaria não resiste muito; lá pelos três minutos, a intensidade já terá crescido e tomado novamente conta do processo.  




Concrete Voices
Evolution Ensemble Unity
Alm Records
1976 
O Evolution Ensemble Unity foi um trio de instrumentistas japoneses que surgiu em 1975 e deixou apenas este registro.  O grupo era formado pelo saxofonista Mototeru Takagi (1941-2002), Morio Yoshida (baixo e percussão) e o trompetista Toshinori Kondo – aqui estreando, ele que se tornaria um dos músicos asiáticos mais conhecidos do free. O álbum é fruto de duas sessões ao vivo: no lado A, cinco faixas captadas em novembro de 76; no lado B, apenas um extenso tema, a faixa-título assinada por Kondo, de setembro do mesmo ano. Improvisação livre é a palavra de ordem, mas as duas faces do vinil oferecem percepções um pouco distintas. No lado A, em meio a composições próprias, são revisitados dois temas clássicos, “Brilliant Corners” (Monk) e “Bone” (Steve Lacy), de forma bastante desconstruída, claro. Junta-se a essas releituras “Stone Blues”, de Takagi, talvez uma homenagem à herança jazzística absorvida pelos músicos japoneses.  Já no lado B, são cerca de 25 minutos de improvisação livre, onde a ordem é deixar a escuta divagar sem amarras.




Kara Suite
David Wertman
Mustevic Sound Inc
1976 
O baixista David Wertman (1952-2013) despontou na cena jazzística de NY nos anos 70, quando gravou e tocou ao lado de gente como Billy Bang, Marion Brown e Archie Shepp. Ainda naquela década, o baixista fundou o Sun Ensemble, com o qual gravou o belo álbum Wide Eye Culture. Em seu nome, apareceram poucas gravações e, dentre essas, merece destaque este Kara Suite, que traz Steve Reid na bateria, Charles Tyler (sax alto), Richard Schatzberg (french horn) e Ken Simon (tenor).  Wertman também aparece como compositor e produtor. O quinteto apresenta uma música de intensos improvisos, com temas bem marcantes. A faixa que mais impressiona é a mais longa do conjunto, “Sharatarr”, que inicia o lado B do álbum. Sharatarr abre com uma linha de baixo repetitiva e envolvente, muito swingante, acompanhada sutilmente por Reid. Logo entram os sopros, com Schatzberg e Simon fazendo a cama para Tyler deslizar seu tema. Solos intensos dos sopros substituem a sedutora levada inicial, até que o clima primeiro seja retomado para fechar Sharatarr. Incrível que, ao menos essa faixa, não tenha se tornado um clássico do free...




Live at Environ
INTERface
ReEntry Records
1977 
O pianista belga John Fischer chegou a Nova York nos anos 70, atraído pela cena loft que então se formava. Fischer, nascido em 1930 na Antuérpia, logo abriu em NY seu próprio espaço, o Environ, que, mesmo sendo menos incensado que o Studio RivBea ou o Ali’s Alley, foi um local importante para músicos e artistas na época – também funcionava como galeria de arte. Em seu entorno, se uniram músicos como Mark Whitecage (saxes) e Perry Robinson (clarinete). E foi com eles que Fisher montou seu mais famoso projeto, o INTERface, com o qual fez cinco registros nos anos 70. Este álbum, gravado exatamente em uma gig no Environ, mostra o quinteto com Fisher, Whitecage, Robinson, Rick Kilburn (baixo) e o grande Phillip Wilson (1941-1992) na bateria. A eles se juntou um convidado especial, o sax-barítono Charles Tyler. No melhor clima loft jazz, os músicos mostram sete temas, com resultados e formações distintas. O disco abre, por exemplo, com “Quartet”, onde apenas Tyler assume os sopros. Whitecage e Robinson aparecem no tema seguinte, a quase-balada “A Day in May”. Já “Solo-Poum” é uma das intervenções vocais de Fisher (em seus discos, sempre há uma peça desse tipo, da série “Poum”). O sexteto todo em ação pode ser apreciado em “Tolls”, que fecha o álbum trazendo os melhores momentos do conjunto.




Celeste
Michel Pilz
Trion
1978 
O grande clarinetista-baixo alemão Michel Pilz é um dos mais discretos nomes da cena free impro europeia. Membro da Global Unity Orchestra e do quinteto de Manfred Schoff, Pilz, nascido em 1945, tem relativamente poucos registros como líder. Um de seus melhores trabalhos é Celeste, gravado em março de 1978. Acompanhado do baterista Uwe Schimitt e de Buschi Niebergall (baixo), Pilz exibe pontos amplos de sua música, oscilando beleza contemplativa com dinâmica e agilidade. Da esfera sombria de sua música, emergem as faixas “Celeste” e “Linde”; caso distinto é “Telep”, que mostra a força e a pegada mais arisca de sua improvisação. Dono de colorido que varia entre o robusto e o lírico, Pilz faz deste Celeste um disco realmente revelador e central em sua obra, injustamente pouco incensada. Belamente soturno.




Ernst-Ludwig Petrowsky
Ernst-Ludwig Petrowsky
Amiga
1978 
O free jazz na Alemanha Oriental (“DDR”) demorou um pouco mais para chegar ao ocidente que a produção realizada do outro lado do muro. O saxofonista Ernst-Ludwig Petrowsky foi um dos pioneiros do free na Alemanha comunista, tendo formado o semial grupo Synopsis (depois Zentralquartett) ao lado de Conrad Bauer, Ulrich Gumpert e Gunter Sommer. Aqui Petrowsky aparece em diferentes formações, entre trios e quintetos, em gravações realizadas entre junho de 74 e novembro de 77. Além de Gumpert e Sommer, podemos ouvi-lo tocando com Klaus Koch (baixo), Jochen Gleichmann (trompete), Hans Rempel (piano), entre outros. De um lado do disco, estão seis curtas faixas, onde pode-se apreciar o som do saxofonista em contextos diversos; mas o melhor fica para o lado B, formado apenas por um extenso tema, “Wandertag in Freiberg”, captado ao vivo em março de 76, em que Petrowsky se reveza entre tenor e alto, acompanhado por Koch (baixo) e Sommer (bateria), mostrando que é de fato um saxofonista de peso, enérgico e grande improvisador. Uma vital introdução ao universo de Petrowsky, músico fundamental que talvez tenha acabado sido injustamente sombreado demais pela grandiosidade de um outro saxofonista alemão...




Stockholm Augusti
Lokomotiv Konkret
Urspar
1978
O saxofonista israelense Dror Feiler comanda este grupo criado na Suécia, onde ele se radicou nos anos 70. Bateria, piano, sax e dois trombones formam o núcleo sonoro deste álbum de estreia do Lokomotiv Konkret, que editaria ainda outros discos até os anos 90, com algumas mudanças na formação. Neste Stockholm Augusti podemos ouvir algumas das faces do Lokomotiv Konkret, que vai da energy music centrada dos temas “Harakiri” e “Distorsion 1”, que abrem e fecham o álbum, respectivamente, à improvisação livre mais expansiva, como na longa (quase 14 minutos) “Sparvagn Abstrakt”. Feiler, que passou discretamente pelo Brasil em julho, durante o FIME, comandaria também outros destacados projetos, como o “The too much too soon Orchestra”, no qual Mats Gustafsson debutou em 1988.  







------------------------
*o autor:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado em Literatura, tendo se especializado na obra do escritor António Lobo Antunes. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; também foi correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e música para o jornal Valor Econômico

Nenhum comentário: