FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Som nos arredores (lançamentos nacionais)






Destaques de lançamentos nacionais, excitantes álbuns editados nos últimos tempos.
Experiências em várias formas. 
Ouça, divulgue, compre os discos.






Estratossoma ****(*)
Entrevero Instrumental
Independente 
Com uma formação inusitada, o quinteto catarinense Entrevero Instrumental apresenta uma sonoridade bastante particular. Formado por Arthur Boscato (violão de sete cordas), Jota P Barbosa (sax), Diego Guerro (acordeon), Rodrigo Moreira (baixo) e Filipe Maliska (bateria), o grupo diz que faz um trabalho “autoral de música instrumental brasileira com grande influência dos ritmos do sul e da música contemporânea”. E este novo Estratossoma, terceiro título do quinteto, apresenta essa fórmula em sua plenitude. Gravado em julho de 2015, em Florianópolis, o álbum traz brasilidades desconstruídas embebidas por intensidade elevadíssima e surpreendentes soluções harmônicas e rítmicas – na base da criação, está o “compasso irracional”, uma abordagem particular da música atonal, que Maliska detalhou em entrevista recente. Os elementos regionais sulistas surgem aqui e ali, especialmente por meio do acordeon e do violão, mas são tratados de forma perfeitamente integrada ao som contemporâneo do grupo (que traz também camadas eletrônicas), não existem apenas para dar algum tempero popular, como bem mostram “Milongo+” e “Lacromância+” (esta, com intervenção vocal a partir da letra de Destino Missioneiro, de Noel Guarany). A complexa sonoridade do Entrevero Instrumental se mostra aberta a elementos avant jazz – um crítico da All About Jazz afirmou que o sax de Barbosa pertence a uma linhagem ‘timberniana’ –, que podem culminar em momentos realmente energy e free, como a explosiva abertura de “Crivalta+”. Música viva, atual e surpreendente, que se espalha por oito temas e deveria ser apresentada (e descoberta!) mundo afora.







Culto ao Rim ****
Culto ao Rim
Independente

Desde sua criação em meados de 2000, o Culto ao Rim passou por diversas transformações estilísticas e de formação. Agora aparecem como quarteto neste novo disco (e, por que não, nova fase). A Gabriel Magazza (baixo) e Carlinhos Mazzoni (bateria), que estão no grupo desde o começo, se unem Richard Firmino (sopros) e Vinícius Gomes (guitarra, que cedeu agora o espaço para o Rodrigo Passos), para juntos alcançarem alguns bons achados. Apesar de não única, a forte influência jazzística marca o álbum – no texto de apresentação do grupo, eles citam Mingus e Eric Dolphy. Mas há também outras referências; Piazzola é lembrado por eles e o tango, homenageado na faixa “Tanga” – o gênero é apenas perceptível sutilmente em algumas passagens, como na ritmicidade marcada pela guitarra lá pelos dois minutos. Esse mergulho em fontes diversas, tratado sempre de forma desconstruída, até mesmo irônica, emerge em faixas como “Arabina”, e seu ar oriental, ou no solo de guitarra de “Capacete”, com sua atmosfera fusion setentista. Apesar da variedade sonora, o álbum se mostra coeso e coerente. E tem Richard Firmino, que ilumina intensamente o som do quarteto, especialmente quando assume o clarinete baixo (toca também sax, trombone, flauta...).
  






Obsolescência Programada ****
Máquina Overlock
Mansarda Records 
O quarteto Máquina Overlock, de Porto Alegre, traz neste novo trabalho mais uma avalanche de ruidosa e enérgica sonoridade. Formado por Diego Dias (sopros, percussão), Igor Dornelles (guitarra), Israel Savaris (baixo) e Michel Munhoz (percussão), o quarteto apresenta duas longas improvisações em que o noise constitui base propulsora para o material registrado. “Obsolescência”, com seus quase 27 minutos, abre de forma aniquiladora, sem introduções, com Dias como que gritando um chamado prontamente seguido pelos outros; às camadas de ruidagens criadas por Dornelles, o sopro responde com ataques certeiros, que fuzilam com notas prolongadas em variável intensidade, em um processo que conduz o desenvolvimento da peça. No segundo tema, “Programada”, apesar de a tensão já iniciar elevada, há um certo crescendo de intensidade, que culmina lá pelos 12 minutos, com o sopro em ebulição máxima. Talvez se a percussão de Munhoz estivesse mais presente – sua participação soa meio que encoberta pelos outros três instrumentistas –, como parece ocorrer no título anterior do grupo, “Costura”, este Obsolescência Programada ganharia provavelmente ainda mais impacto.    


  
Arcanos ***(*)
Felipe Zenícola
QTV 
Intrigante projeto do baixista Felipe Zenícola, Arcanos é um disco solista desenvolvido entre janeiro e fevereiro de 2015. Zenícola criou 22 faixas, uma por dia, “referentes a cada um dos 22 arcanos maiores”, explica o músico. Tendo por base apenas o baixo elétrico (danelectro longhorn bass, fender precision bass e M. Zaganin), usando pontualmente efeitos e sobreposições, Zenícola desenvolve uma gama de sons inusuais, por vezes hipnóticos, entre improvisações e composições.  As 22 faixas são objetos distintos, formando um complexo conjunto. Há temas de certa estaticidade, em que o silêncio quase se impõe, como “VI L’Amoureux”; há criações sombrias, densas, que perturbam os sentidos (“VII La Justice”, “III LEmpereur”), que poderiam fazer o papel de intro ou intermezzo em um álbum de black metal; há também faixas de atmosfera  minimalista, em que um tema cíclico nos enreda em uma cadeia que parece interminável (“XIII Tempérance”), dentre outras vias de exploração sonora. Para quem não é iniciado no universo do Tarô, as associações entre as cartas/arcanos e os temas desenvolvidos podem não ser claras – salvo em algumas partes em que isso é mais explícito, como nas ruidosamente perturbadoras “XI La Force” e “XV Le Diable”. “Arcanos explicita minha tentativa em expor, com a menor quantidade de maquiagem e máscaras possível, formas-pensamento, emoções e movimentos internos pouco ou nunca acessíveis verbalmente ou mesmo conscientemente”, explica Zenícola. Talvez esteja aí a chave para adentrar essa obra.







Hãl ****
Marcio Gibson / Jorge Nuno
Bambalam Records 
O duo de guitarra e bateria, apesar de não estar entre os formatos mais populares, tem rendido bons exemplares em anos recentes, como “Hurgu!” (Terrie Ex e Paal Nilssen-Love) e “Beach Party” (Jaak Sooaar e Han Bennink). Este Hãl vem se juntar a essa galeria, trazendo o encontro do baterista Marcio Gibson com o guitarrista português Jorge Nuno (Signs of the Sillhouette). O registro foi realizado no Nimbus Studios, em São Paulo, e traz três longas improvisações. O duo tocou junto em algumas oportunidades nesses tempos (o último encontro ocorreu mês passado, em SP), o que os ajudou a estabelecer a fina sintonia que exibem no álbum.A sonoridade por vezes etérea da guitarra de Nuno, com raízes claras em seu projeto principal, cria camadas inebriantes, que ganham amplitude com o toque fraturado de Gibson, que parece perfurar as linhas contínuas criadas a partir das cordas. Esse processo ecoa por todo o álbum, fazendo com que as três faixas soem unas, como partes de um todo maior. À deriva, a sonoridade desenvolvida pelo duo poderia (e pode) ecoar muito além do plano estabelecido pelo álbum, como ondas que se autodragam e autoalimentam, ressurgindo quando pareciam já concluídas. As ondulações de intensidade do trabalho atingem possivelmente seu ápice na faixa “Saudade” (essa palavra portuguesa tão única), que tem momentos em que o diálogo guitarra/bateria parece se tornar mais uma acalorada discussão. Hãl ganhou, além do formato digital, uma edição especial em vinil.







----------------- 
*quem assina:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado na área literária. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; foi ainda correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico. E colabora com a revista online portuguesa Jazz.pt.
É autor de liner notes para os álbuns “Sustain and Run”, de Roscoe Mitchell (Selo Sesc), e “The Hour of the Star”, de Ivo Perelman (Leo Records)

Nenhum comentário: