FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

sábado, 1 de outubro de 2016

Jazz al Sur: a livre cena jazzística da Argentina





O jazz, em suas múltiplas vertentes, tem uma história antiga e muito rica na Argentina. E um país tão jazzístico não poderia deixar de ter também uma face free realmente viva e estimulante...






Por Fabricio Vieira

A cena jazzística da Argentina provavelmente seja a mais intensa do Hemisfério Sul. Essa é uma história de muitas décadas, que se inicia quando o país do tango começa a ser seduzido pela então novidade “jazz”. Não demorou tanto para que o gênero conquistasse um espaço próprio no país, gerando uma linguagem particular, em um processo que logo gestaria ídolos e referências locais. Com o tempo, músicos de jazz argentinos começaram a desbravar o cenário internacional. Pioneiro nesse aspecto foi o guitarrista Oscar Alemán (1909-1980), que viveu na Europa nos anos 30, onde gravou com o trompetista Bill Coleman e acompanhou a cantora Josephine Baker. Depois seria a vez do pianista Enrique Mono Villegas (1913-1986), que assinou com a Columbia em 1955 e se mudou para Nova York, onde gravou dois discos para o selo. Mas sucesso mesmo fora de seu país faria o pianista e arranjador Lalo Schifrin. Descoberto por Dizzy Gillespie, Schifrin desembarcou nos Estados Unidos no fim dos anos 50, onde trabalhou com o icônico trompetista, antes de se tornar premiado autor de trilhas para cinema. Outros tantos músicos se destacariam nas décadas seguintes e algumas obras jazzísticas realmente singulares nasceriam na Argentina, como “Suite Trane” (Alberto Favero, 1969), “Bronca Buenos Aires” (Jorge López Ruiz, 1970), “Ego” (Jazz Band de Free, 1972) e “Blues para un Cosmonauta” (Horacio ‘Chivo’ Borraro, 1975).
  
Leandro “Gato” Barbieri
A relação entre o jazz criado na Argentina e as expressões mais radicais do gênero também data de muito. Seria um antigo integrante da orquestra de Schifrin que abriria as portas do país ao free jazz. Leandro “Gato” Barbieri, nascido em Rosário em 1934, primeiro se estabeleceria como importante saxofonista local, antes de decidir tentar a sorte no exterior – desembarcaria na Europa em 1963. Barbieri conheceu, na França, Don Cherry. Pode-se dizer que foi esse encontro que o libertou de seu passado e o abriu a uma nova jornada artística. Entre os anos de 65 e 66, Barbieri excursionou e gravou junto com Cherry, participando de registros fundamentais como “Complete Communion” e “Symphony for Improvisers”. Em 1967, o saxofonista gravaria como líder para o mítico selo ESP-Disk o álbum “In Search of the Mistery”. No período, Barbieri gravou também com Carla Bley (“Escalator Over the Hill”), Charlie Haden (“Liberation Music Orchestra”) e Alan Shorter (“Orgasm”) e logo começou a desenvolver uma estética própria, na qual buscou unir o free jazz a sonoridades latino-americanas. Essa ideia gerou em 1969 o álbum “The Third World”. Na mesma linha, editou os bem realizados “El Pampero” e “Fenix”. Infelizmente, em meados dos anos 70 Barbieri se afastou do free jazz, passando a fazer escolhas estilísticas mais óbvias e comerciais.

Outro pioneiro da música livre no país é Guillermo Gregorio. Nascido em Buenos Aires em 1941 e em atividade há cerca de cinco décadas, Gregorio foi figura fundamental do underground argentino nos anos 60 e 70, desenvolvendo sua própria linguagem a partir da improvisação livre e estando à frente na época, ao lado de Norberto Chavarri e Roque de Pedro, do importante projeto Movimiento Música Más (MMM), ligado aos ideais do Fluxus. Uma amostra de seus primeiros trabalhos foi resgatada no álbum “Otra Musica” (Atavistic, 2000), que traz peças de importância histórica como “Solo”, um dos primeiros registros de improvisação para saxofone alto solista, feito em 1964. Clarinetista e saxofonista, Gregorio optou por buscar novas possibilidades fora de seu país, que deixou definitivamente em 1986. Radicado nos EUA, tocou e gravou nesses tempos com Fred Lonberg-Holm, Mats Gustafsson, Franz Koglmann, Mat Maneri, Jim O’Rourke, dentre outros.

Sergio Paolucci 
Apesar do pioneirismo de Barbieri e Gregorio, o free jazz e a improvisação livre demoraram para ter um número mais expressivo de praticantes na Argentina. Encontram-se registros de não mais muitos personagens nessa seara até ao menos meados dos anos 90, apesar de o jazz, de uma maneira geral, sempre ter se mantido muito ativo no país. Dentre os que há mais tempo se interessaram pelo estilo, vale citar ainda o pianista Gustavo Kerestezachi (1942-2003), que no início dos anos 70 desembarcou em Paris e logo se associou ao baixista Alan Silva. Desse tempo, restou uma gravação que Kerestezachi fez com o grupo do baixista Bob Reid, “Africa is Calling Me” (74), da qual também participou Oliver Lake. Há também encontros mais pontuais de músicos com o free. Um exemplo é  o tema "Africa", registrado pelo quarteto do saxofonista Horacio 'Chivo' Borraro em novembro de 1970, em que é inegável a influência do free jazz – apesar dele nunca ter se tornado propriamente um representante dessa seara. Ainda nos tempos primeiros de relação com o free, marcante foi a passagem do quarteto do saxofonista Steve Lacy (com Enrico Rava, Johnny Dyani e Louis Moholo) por Buenos Aires em 1966, onde seria gravado o álbum  “The Forest and the Zoo”. O contato naquela ocasião com Dyani e Moholo, que teriam ficado hospedados em sua casa, ajudou um jovem chamado Sergio Paolucci a descobrir sua vocação e destino. Ainda estudante de música, o futuro saxofonista se encantaria com o som produzido pelos visitantes, passando a dar os primeiros passos concretos nessa seara nos anos 70, montando um trio com o baixista Hernán Merlo e o baterista Pepi Taveira. “El free jazz en Argentina jamás existió, hasta la aparición de Sergio Paolucci”, afirma o crítico e produtor Walter Thiers no livro “El Jazz Criollo y otras Yerbas”. Apesar de ser uma referência nacional e ainda estar em atividade, o trabalho de Paolucci – registrado principalmente a partir dos anos 90 – é muito pouco conhecido e divulgado fora de seu país. Entre seus não muitos títulos, estão “Aproximación a Coltrane” (91), “Free Jazz Tango” (96) e o disco de sax solo “Resplandor” (2009), provavelmente sua última gravação.

Outro nome na estrada há mais tempo é Marcelo Peralta (Buenos Aires, 1961). Tendo começado com o sax barítono, Peralta testou depois o tenor, alto e soprano. Em meados dos anos 80, passou a explorar a improvisação livre ao lado do guitarrista Jorge Mancini. Data dessa época seu primeiro registro, feito com o Grupo de Improvisación Tercer Mundo, editado no fim dos anos 80 pelo selo Melopea (importante preservador do jazz argentino), que contava com a também saxofonista Mariana Potenza, o citado Mancini e o percussionista Victor da Cunha. O disco traz elementos de música popular associados à liberdade freejazeira – a faixa “Un Hilo de Luz”, por exemplo, traz um subtítulo muito indicativo: “Homenaje a Pharoah Sanders”. Nos anos 90, formou o grupo “Los Saxópatas”, antes de migrar para a Espanha, onde vive há cerca duas décadas. De sua produção mais recente, destacam-se os álbuns de pegada free jazzística “Gnu Trio” (gravado ao lado dos também argentinos Guillermo Bazzola, guitarra, e Andrés Litwin, bateria), e “Zaz! Trio”, com Charles Gonzalez (bateria) e Baldo Martinez (baixo). Peralta, que também é professor e pesquisador, esteve no Brasil, em Salvador, em 2014, durante o Congresso da Associação Internacional de Estudos de Música Popular. Ao lado do também saxofonista Juan Calvi, apresentou o trabalho “Bagualas, Blues e Free Jazz: Improvisação, Diáspora e Globalização de formas musicais arcaicas”.

  
A cena contemporânea argentina se mostra bastante aberta ao avant-garde, com muitos músicos, nos mais variados instrumentos, desenvolvendo sua arte tendo aí referências importantes. Alguns focados no que há de mais experimental, outros com preocupações jazzísticas mais explícitas, fato é que a Argentina tem hoje uma lista extensa de músicos realmente criativos e empolgantes. De saxofonistas, é valioso conhecer: Luis Conde (também clarinetista, tem gravações com Sabu Toyozumi e Frode Gjerstad), Pablo Ledesma, Ada Rave, Pablo Puntoriero (do inquieto quarteto “La Cornetita”, com quase duas décadas de atividade), Leonardo Piantino, Roi Maciaz, Luis Natch, Carlos Lastra, Hernán Samá, Natalio Sued, Ingrid Feniger, Rodrigo Domínguez, Miguel Crozzoli, Jorge Torrecillas, Pablo Moser e Sam Natch. No piano, uma escalação de figuras que não ignoram o free certamente contaria com Pepe Angelillo, Paula Shocron, Ernesto Jodos, Nico Chientaroli, Fabiana Galante, Ruben Ferrero, Tatiana Castro Mejía (colombiana radicada em BsAs), Santiago Belgrano e Teo Cromberg. Muitos são também os bateristas de primeiro time: Pepi Taveira, Sergio Verdinelli, Pablo Díaz, Martín López Grande, Andres Elstein, Augusto Urbini, Damián Allegretti, Fran Cossavella, Juan Pablo Carletti e Carto Brandán. Nos outros instrumentos, não podem deixar de ser mencionados os baixistas Jerónimo Carmona, Mono Hurtado, Mariano Otero, Guillermo Roldan, Juan Bayón, Hernán Merlo, Carlos Álvarez e Pablo Vásquez; o trombonista Francisco Salgado (do quarteto Underground Mafia); além dos guitarristas Juan Pablo Arredondo, Fernando Tarrés, Alcides Larossa (um importante divulgador da improvisação livre), Claudio Nuñez, Nacho Esborraz e Wenchi Lazo.
E sim, há outros tantos artistas argentinos fazendo isso acontecer, muitos ainda a serem descobertos, do post-bop ao avant-garde...
Enrique Norris
Esses músicos apresentam propostas variadas e inventivas, mas apenas uma parte deles já teve a oportunidade de levar seu trabalho para ser conhecido fora do país. Um dos mais destacados e que permanece ainda muito ligado ao cenário doméstico é Enrique Norris. Cornetista e pianista, Norris é um nome fundamental da contemporânea cena argentina. Um dos originais e criativos músicos do país, Norris está em atividade desde os anos 80, tendo tocado e gravado com diferentes gerações por lá, como sideman ou comandando um de seus diferentes projetos, como Cacerola (que tem editado um inspirado disco homônimo), o trio M.E.S., NGG Jazz e NPGEconcentrado. Mas foi sobretudo a partir dos anos 2000 que Norris se firmou como figura central. E é também somente a partir desse período que começa a gravar como líder. Atualmente, conduz o Norris Trío, ao lado de Pablo Díaz (bateria) e Maximiliano Kirszner (baixo). É com esse grupo que mais facilmente sua música pode ser conhecida (os discos têm sido divulgados via Bandcamp), pois seus trabalhos anteriores, sempre gravados de forma independente, são relativamente difíceis de serem encontrados.

  

Gosto de usar o termo ‘música criativa’ (para designar o que toco)”, afirma o baterista Pablo Díaz. “Na Argentina, tem havido muita movimentação em torno dessa música e cada vez há mais músicos interessados em enfrentar suas composições, liderar projetos próprios e explorar a improvisação livre”, diz. “É possível viver de música na Argentina da mesma forma que em qualquer outro lugar do mundo. Tudo depende do que espera. A música te traz um retorno espiritual que é muito valioso. Em relação à questão econômica, salvo alguns poucos, geralmente os músicos tem que trabalhar com outra coisa para ganhar dinheiro, é muito comum ter que dar aulas ou mesmo ter outro emprego.

Sendo uma cena independente, é inevitável que os músicos busquem formas próprias de divulgar e desenvolver seu trabalho. Nesse âmbito, merece destaque a criação do “Free Jazz Festival de Buenos Aires”, no começo dos anos 2000, por Ruben Ferrero, evento que ainda segue ativo. Pianista e pesquisador de sons étnicos, Ferrero passou a se envolver de forma crescente com a improvisação livre nos anos 90 e foi um dos poucos argentinos a fazer parcerias com brasileiros – ele gravou com Panda Gianfratti e Yedo Gibson o disco “Contra-Mão”, em 2004. No momento, o pianista trabalha no documentário “Free Jazz – Rugido de Libertad”, sobre a cena local.

Há também quem trabalhe distante do principal polo cultural. A cerca de 800 km de Buenos Aires, na Província de San Luís, há uma interessante figura a estimular o free jazz. Trata-se do multi-instrumentista Roi Maciaz. Originalmente um saxofonista, Maciaz tem também tocado constantemente piano e guitarra e desenvolvido um trabalho independente com músicos de sua região. Com mais de uma dúzia de discos editados, Maciaz aposta em uma música enérgica e focada na improvisação livre, mantendo o espírito Do It Yourself vivo, gravando e distribuindo suas criações. Sua principal contribuição é ao sax alto e seus duos com o jovem baterista Feco González são especialmente intensos: energy music como motor criacional. 


Importante movimentação relacionada à improvisação livre tem acontecido também em Rosário, onde um grupo de músicos se juntou para criar, em 2011, o Ciclo de Improvisación Libre. Reunindo artistas de diferentes vertentes interessados em free improvisation no Centro Artístico Integral de Rosario (Cairos), o projeto rendeu, em 2013, a coletânea “All Free”, disco com apresentações registradas em diferentes encontros. Tendo à frente os músicos Nacho Esborraz, Alexis Perepelycia, Leonardo Piantino e Maximiliano Caccarni, o Ciclo tem mostrado o interesse pela improvisação com a participação de um grande número de músicos, inclusive de argentinos que vivem fora do país, como Natalio Sued, e estrangeiros, como o holandês Oscar Jan Hoogland.

Rosário é também o local de nascimento da pianista Paula Shocron, que estreou há cerca de uma década com o intimista álbum “La Voz que te Lleva” e, desde então, tem aberto sua música a uma viagem cada vez mais livre e desafiadora. Em meio a bem-sucedidos registros de perfil mais jazzístico, como “Urbes” e “Our Delight”, Shocron tem mostrado em projetos recentes, como o “Nuevo Ensamble” e o “Imuda” (este focado na improvisação, tendo sido criado ao lado da dançarina Laura Monge e hoje agregando diferentes músicos), possibilidades novas e mais intrigantes de sua arte. O disco “Anfitrion”, registro do SLD Trío editado no ano passado, ao lado de Pablo Díaz e do baixista German Lamonega, ilustra bem essa face atual de sua arte.

Paula Shocron e Pablo Díaz

Apesar de os atuais meios de divulgação via internet facilitarem a descoberta dessa música mundo afora, nota-se ainda a falta de um intercâmbio mais forte, tanto de artistas estrangeiros visitando o país quanto de instrumentistas argentinos tocando e se integrando à cena internacional. Mesmo a relação com o vizinho Brasil é bastante superficial. Nesse aspecto, não pode deixar de ser citada a atuação do saxofonista britânico George Haslam. Desde que passou pela Argentina no começo da década de 1990, Haslam buscou se integrar a músicos locais, sempre retornando para festivais e gigs, além de gravar com alguns deles, como Paolucci, Ferrero, Maciaz e Ledesma. Tais registros ajudam, de alguma forma, a levar o som de músicos argentinos para a Europa, por meio de álbuns como “Once Upon a Time in Argentina” e “Argentine Adventures”, editados pelo selo Slam Productions.

Um músico que gravou com Haslam e depois registrou passagens em diferentes oportunidades pela Europa foi o saxofonista Pablo Ledesma. Vindo de La Plata, Ledesma começou sua carreira nos anos 80, tendo se tornado professor de sax e improvisação, sendo importante referência para toda uma geração. Sua busca por ampliar sua criação o levou a parcerias com músicos estrangeiros, que rendeu recentemente um belo álbum em duo com o pianista espanhol Agustí Fernandez (“Improvocaciones”, 2013), além da oportunidade de tocar nos últimos anos com nomes como Elton Dean, Lol Coxhill, John Edwards, Butch Morris e Lê Quan Ninh. “Tocar jazz é uma tarefa realmente difícil, não apenas porque demanda muitos anos de estudo e experiência, mas também porque não existe uma oferta de trabalho abundante, para atender a crescente quantidade de músicos de alto nível que tem surgido. A Argentina não é uma exceção e as oportunidades para desfrutar de um bom palco e uma audiência entendida no assunto são raras, o que se torna ainda mais evidente fora de Buenos Aires”, afirma Ledesma.  

Outro saxofonista que buscou se aproximar de artistas destacados do free internacional é Roberto Pettinato. Mais conhecido em seu país por ter feito parte da cultuada banda de rock “Sumo” nos anos 80, além de comandar um popular programa de TV, Pettinato começou a se interessar pelo universo do free jazz apenas nos anos 2000. Depois de um disco irregular editado com músicos locais (“Musica Anticomercial”, 2003), aprofundou suas experiências, que culminaram em “Purity”, gravado em 2012, em Nova York, ao lado de Dave Burrell, Henry Grimes e Tyshawn Sorey.

Leonel Kaplan
E tem Leonel Kaplan, um dos argentinos ligados ao free com mais trânsito internacional hoje. Trompetista que começou sua trajetória focado no jazz, Kaplan passou a se aprofundar na improvisação livre a partir dos anos 2000 e, entre idas e vindas pelas cenas de Estados Unidos e Europa, tocou com muita gente e desenvolveu variados projetos internacionais. Um de seus primeiros parceiros estrangeiros foi o alemão Axel Dörner. Depois, formaria um trio com Nate Wooley e Audrey Chan (“Silo”, 2006). Gravaria ainda com John Butcher, Tetuzi Akiyama e com a trompetista alemã Birgit Ulher, com quem mantém o projeto Stereo Trumpet. Um destacado parceiro seu atualmente é o austríaco radicado em Buenos Aires Christof Kurzmann. Kaplan tem tocado sempre que possível na Europa e também recebido músicos estrangeiros para gigs na Argentina – como os duos que realizou em 2014 com a trompetista portuguesa Susana Santos Silva.


Na esteira dos pioneiros Barbieri e Gregorio, não faltam músicos argentinos ligados ao free que têm feito a opção de se mudar para o exterior. Esse é o caso dos bateristas Damián Allegretti e Juan Pablo Carletti, ambos radicados em Nova York. Allegretti editou no ano passado seu primeiro álbum como líder, “Stoddard Place”, registro em trio com Erik Friedlander e Tony Malaby. Já Carletti, que está há cerca de uma década vivendo nos EUA, tem tocado atualmente no Rob Brown Quartet e lançou no ano passado “Illusion of Truth”, um duo com o celista Daniel Levin.

Mais recentemente, a saxofonista Ada Rave e o pianista Nico Chientaroli partiram para Amsterdã em busca de novos ares e oportunidades. “Mudei para Amsterdã a princípio porque queria, com a Ada, ter uma experiência em algum país com tradição de improvisação livre, como Inglaterra, Alemanha ou Holanda. Acabamos vindo para cá porque era o único lugar onde tínhamos amigos músicos, como um primeiro passo e depois ver o que acontecia. Acabamos gostando da cena de Amsterdã e decidimos ficar por aqui”, diz Chientaroli, que editou há pouco seu primeiro álbum de piano solo, “Cada Fuego es el Primero”. Entre os saxes tenor e soprano, Ada Rave é uma das vozes mais interessantes da cena argentina. Após comandar e participar de diferentes projetos em seu país – “Proyecto Orgánico Rave”, “Los Improvisadores Gráficos”, “Martes 151”, além de seu empolgante“Cuarteto”–,  Rave tem, em meio a novas parcerias, explorado mais o formato solista nesta temporada europeia. Tal faceta pode ser ouvida em “A Trial, a Texture”, editado pelo selo Pan y Rosas, que a mostra cada vez mais inventiva no trabalho com a improvisação livre.


Não deixamos Buenos Aires por falta de oportunidade, fomos porque queríamos ter outras experiências, conhecer outros músicos, costumes, outras maneiras de pensar e encarar a vida. Buenos Aires é uma bela cidade, cheia de oportunidades, mas também a improvisação livre ainda é bastante jovem por lá. Queríamos ir a um lugar onde existe uma tradição nesse estilo, onde se encontram músicos que vêm trabalhando com esta música há muito tempo”, diz Chientaroli.


Com uma cena free/jazzística tão pulsante aqui ao lado, surpreende que a interação do Brasil com os hermanos seja tão superficial, com raras parcerias e notadas ausências em nossos palcos...



(Esta é uma versão revista e ampliada de texto publicado em novembro de 2015 na Jazz.pt)



-----------
*o autor:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado em Literatura e Crítica Literária. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; foi ainda correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico. Também colabora com a revista online portuguesa Jazz.pt.
É autor de liner notes para os álbuns “Sustain and Run”, de Roscoe Mitchell (Selo Sesc), e “The Hour of the Star”, de Ivo Perelman (Leo Records)

Um comentário:

soyo disse...

Leo muy interesado la serie Jazz al Sur.

Saludos cordiales desde La Plata.