FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

*SOBRE (about us)...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Play it again...






Apanhado de novidades imperdíveis da free music.
Música criativa em suas mais diversas configurações.
Ouça, divulgue, compre os discos.




  



Flowers  ****(*)
Joe McPhee
Cipsela
Um dos mais inquietos nomes dentre os que surgiram na década de 1960 e ainda se mantêm ativos, Joe McPhee, 77 anos, colocou no mercado uns dez discos apenas em 2016. Flowers é um dos títulos editados nos últimos meses e traz o veterano saxofonista ao vivo, em concerto para sax alto solo realizado há um tempo já razoável – mais precisamente em 4 de junho de 2009, no festival Jazz ao Centro, em Coimbra. A apresentação editada apenas agora traz sete temas, cada um dedicado a alguém importante para o artista (a maioria, na realidade, são mestres do sax alto, como Braxton, John Tchicai e Julius Hemphill). O conjunto é bastante diverso em sua unidade, mostrando faces variadas da voz de McPhee. A belíssima “Old Eyes” – subtitulada como “For Ornette Coleman” –, por exemplo, exibe um lado mais lírico do saxofonista, que soa tristemente encantador nos primeiros minutos da peça. Em outro extremo está “Third Circle” (For Anthony Braxton), mais tecnicamente desafiadora, com McPhee trabalhando a respiração circular e criando camadas de maior abstracionismo. Já “The Whistler” (For Mark Whitecage) se desenvolve com marcante vagar, em meio a sussurros e quase silêncios, com o sax alto obrigando nossos ouvidos a centrar atenção máxima. “Flowers” é, sem dúvida, um momento especial na longa lista de discos solistas que McPhee assina.






Elastic  ****(*)
Joélle Léandre/ Théo Ceccaldi
Cipsela 
Encontro de cordas e gerações, Elastic reúne a veterana baixista Joélle Léandre, 65 anos, e o violinista Théo Ceccaldi, 30. O duo francês explora nesta parceria captada em outubro de 2015 um conjunto de seis temas, nos quais técnica, lirismo e inventividade improvisativa se unem para alguns sublimes momentos. Os dois instrumentistas já haviam gravado juntos antes, como atesta “Can You Smile” (2013), do Théo Ceccaldi Trio que contou com a participação especial de Léandre. Mas o belo diálogo travado por eles aqui vai além de encontros anteriores: é algo que nasce de uma cumplicidade estética, de necessidades criacionais próximas. Isso fica claro na sombriamente meditativa “Elastic 1”, que abre o álbum de forma envolvente – impossível parar de escutar  depois deste início. Entre arco e pizzicato, vemos o duo gestar uma música de grande beleza, que não nega picos de intensidade (como mais ao fim de “Elastic 3” ou na vigorosa abertura da sequência “5”). Inspirada estreia de um duo que muito pode oferecer.  






Curado   ****
Hurtmold e Paulo Santos
Selo Sesc
Sexteto radicado em São Paulo, o Hurtmold já conta com 18 anos de estrada e elogiados álbuns na bagagem. Neste novo Curado, o grupo recebe um convidado especial: Paulo Santos, conhecido por sua longa história com o Uakti. Juntos, apresentam 10 temas frutos de uma parceria que nasceu há alguns anos nos palcos. O som instrumental do Hurtmold é muito bem estruturado e centrado, sendo, até por sua natureza não improvisativa, menos simples do que possa parecer inserir um convidado de forma harmônica. Mas a participação de Paulo Santos, munido de várias de suas criações (saxtubo, cacho de PVC, berimcéu, dentre outros instrumentos), funciona com perfeição, ampliando a já vasta gama timbrística do sexteto, que traz: Ghilherme Granado (teclados, vibrafone), Marcos Gerez (baixo, sintetizador), Mauricio Takara (bateria, percussão), Fernando e Mario Cappi (guitarras) e Rogério Martins (clarinete, clarone, teclado). Dentre as peças, vale destacar a impactante “7:30 Olha o Queijo”, Yice (que traz as ruidosidades extremadas do conjunto)  e “Contas” (com sua cama percussiva de crescente potencialidade).





Oboe Solos  ****
Paulo Chagas
Zpoluras Archives
O oboé está entre os instrumentos de orquestra menos utilizados no universo free/jazzístico. Isso torna ainda mais interessante ouvir esse passeio solo do português Paulo Chagas. De formação clássica, tendo no oboé uma de suas especializações, Chagas trabalha também com outros sopros (não aqui) e tem se envolvido com diferentes projetos, não apenas ligados ao free impro. Neste registro solista, temos a oportunidade de ver sua inventividade em ação plena, por 12 improvisações. De uma faixa a outra, as explorações sonoras partem de investigações que levam o ouvinte aos extremos das possibilidades do instrumento, em uma pesquisa de técnicas expandidas que se inicia com o sugestivo título “Mind opening”. A variedade de resultados fica bem evidenciada em faixas como “Demagogy”, e seu melodicismo de ar por vezes oriental, as melancolicamente soturnas “Evening Colors” e “Another Evening Colors”, chegando até as extravagâncias de “New Astrology for Smart People”e “To Improve Mental Elasticity”.





Escape and Return  ****
Paulo Chagas/ Fernando Guiomar
Zpoluras Archives
Paulo Chagas se une neste duo a Fernando Guiomar (guitarra acústica) para improvisar em dez temas. Se em seu outro lançamento (acima) Chagas tocava apenas oboé, aqui ele experimenta diversos outros instrumentos: flauta, clarinete-sopranino, clarinete-baixo e sax alto. Os resultados oscilam junto com as variações timbrísticas; os temas com flauta (como “Obtuse Triangle” e a faixa-título), por exemplo, soam mais leves, meditativos, com algo que denuncia o envolvimento mais antigo de Chagas com o universo folk-prog. O mais desafiador do conjunto, porém, parece vir depois. “Nau dos Corvos”, um dos mais extensos temas, vai adentrar sonoridades mais abstratas, com o sax demandando respostas outras da guitarra (em um dos melhores momentos de Guiomar). “Mordacious”, com Chagas ao clarinete, é outra dentre as mais bem arquitetadas, com as cordas em máximo inventivo momento. Vale destacar ainda “Landscape with Mechanism”, o tema saborosamente mais jazzístico do conjunto, com um pulsante clarinete-baixo embalando o ritmo.
  





Monk ‘N’ More  ****
Simon Nabatov
Leo Records

Nesse curioso registro, o pianista russo Simon Nabatov exibe uma proposta dupla: revisitar o legado de Thelonious Monk e explorar novas propostas suas. O álbum é composto pelo encontro de dois registros, que se alternam: o primeiro grupo, com gravações de maio de 1995, traz releituras de clássicos de Monk, como “Epistrophy” e “Pannonica”; o segundo, é composto por temas novos gravados em 2013, chamados de “Eletroacoustic Extension (1, 2, 3...)”, nos quais Nabatov adiciona à sua criação pianística “live electronics”. Os dois conjuntos, apresentados de forma alternada, criam uma contraposição estética marcada por embates entre sons acústicos e eletrônicos, standards e impro livre, releitura e criação própria. A aglutinação desses trabalhos, que têm quase duas décadas entre si, não é perfeita, mas a ideia, no geral, é bem interessante.





Chant ****
Nuova Camerata
Improvising Beings
O Nuova Camerata é um quinteto formado por instrumentistas (quase todos) portugueses que oferece neste seu primeiro registro algo como uma música de câmara improvisada – um trabalho que carrega elementos tanto da música erudita contemporânea quanto da improvisação livre europeia. O núcleo do quinteto são as cordas; estão aqui Carlos Zíngaro (violino), João Camões (viola), Miguel Leiria Pereira (baixo) e Ulrich Mitzlaff (violoncelo). A esse quarteto de cordas soma-se o percussionista Pedro Carneiro, que se foca aqui na marimba. Dividido em sete partes, esse “canto improvisado” se desenvolve por meio de uma ampla pesquisa de sons, da qual nasce esse particular registro feito originalmente em novembro de 2015 e agora apresentado. Uma música para ser ouvida no silêncio de um teatro, que pode ir de um extremo com picos mais tensamente nervosos a outros de modos mais líricos, sempre com um cuidado que parece artesanal em sua concepção.





Owt  ****(*)
Fail Better!
NoBusiness Records
O Fail Better! é um outro quinteto vindo de Portugal – mas aqui a fatura é muito distinta da observada com o “Nuova Camerata” (acima). A começar pela formação, que tem: Luis Vicente (trompete), Marcelo dos Reis (guitarra), João Guimarães (sax alto), José Miguel Pereira (baixo) e João Pais Filipe (bateria). Owt é o segundo título do grupo e mantém o alto nível criativo do anterior Zero Sum (2014). Com cinco temas registrados em 26 de abril de 2014, no Salão Brazil, em Coimbra, Owt apresenta uma hipnótica viagem, de tempos e modulações variáveis, em que o coletivo está no centro – não é um trabalho para solistas brilharem. “Former Times”, que abre o álbum, sintetiza a proposta do grupo, com sua construção de intensidade crescente, onde nossos sentidos são engolfados com vagar, levados pelas intervenções circulares dos sopros – um diálogo em que as frases ecoam e/ou são complementadas – até o clímax final. Tal processo surge com maior vigor no lado B (pensando no formato vinil), que inicia com a longa “Circular Measure”, que chega de forma mais direta, com o impacto sonoro do quinteto já elevado lá pelos dois minutos, em alta pressão que segue até o desfecho do tema bem à frente. Para completar o registro, “Stellar” muda o tom novamente, agora exibindo o modo mais contemplativo do quinteto.  Edição limitada de 300 LPs.






Falling and 5 Other Failings  ***(*)
Mats Gustafsson/ Christof Kurzmann
Trost Records

Em meio a um ano bastante prolífico, Mats Gustafsson ainda tem fôlego para soltar mais algum material inédito. Falling and 5 Other Failings é um duo com o austríaco Christof Kurzmann, um frequente parceiro de um habitual parceiro de Gustafsson, o saxofonista Ken Vandermark. Diferentes processos são utilizados pelos artistas para trabalharem seis temas: Gustafsson toca tenor, slide, baixo e barítono saxofones; Kurzmann comanda um “special ppooll software” e voz (“live processing”). O resultado é um disco feito mais de detalhes, ruidosidades mínimas, do que de densas explorações sonoras. “Failing III”, com o sopro gravíssimo, arrastado e soturno traz provavelmente o material mais expressivo do disco. Um trabalho de pontos inventivos, mas não indispensável. Outro lançamento em edição limitada em vinil, 300 cópias.






Live at Zaal 100   ****(*)
Twenty One 4tet
Clean Feed
Este verdadeiro encontro internacional se deu em Amsterdã, em 27 de setembro de 2015. No quarteto, estão os holandeses Wilbert De Joode (baixo) e Onno Goevart (bateria), aos quais se juntaram o português Luis Vicente (trompete) e o norte-americano John Dikeman (sax tenor). Aqui estamos mais propriamente no campo free jazzístico, com momentos de energy music realmente contagiantes. O robusto, encorpado sopro de Dikeman – que se desdobra em quentes solos – se revela uma combinação fantástica com o ácido trompete de Vicente. Sax e trompete, aliás, mantêm as explorações solistas em ponto elevado, com bateria e baixo fazendo uma base propulsora de alta energia. “Red Moon”, que abre o álbum, mostra em seus pouco mais de 6 minutos esta energia de forma concentrada, com pontos de grande ebulição (como no incandescente solo de Vicente). Já Dikeman talvez tenha seu melhor no furioso solo de “Rising Tide”, o tema seguinte.  Não sei se foi um encontro ocasional ou se daí saiu um grupo, mas seria bom poder ouvir mais disso...







-------------
*quem assina:
Fabricio Vieira é jornalista e fez mestrado na área literária. Escreveu sobre jazz para a Folha de S.Paulo por alguns anos; foi ainda correspondente do jornal em Buenos Aires. Atualmente escreve sobre literatura e jazz para o Valor Econômico. Também colabora com a revista online portuguesa Jazz.pt.
É autor de liner notes para os álbuns “Sustain and Run”, de Roscoe Mitchell (Selo Sesc), e “The Hour of the Star”, de Ivo Perelman (Leo Records)


Nenhum comentário: