FREE THE JAZZ!!!

IMPROVISED MUSIC, JAZZ ANARCHY, NEW THING, INSTANT COMPOSITION, OUT JAZZ, ALEATORY MUSIC, MODERN FREE, FIRE MUSIC, NOISE, AVANT-GARDE JAZZ, INTUITIVE MUSIC, ACTION JAZZ, FREE IMPROVISATION, JAZZCORE, CREATIVE IMPROVISED MUSIC. FREE THE JAZZ!!!

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Callas, Counterpoint e Tenorhood: três vezes Perelman




Tem se tornado uma marca do saxofonista Ivo Perelman lançar diferentes álbuns simultaneamente. Mantendo a sintonia, o músico acaba de editar três novos títulos pelo Leo Records: “Callas”, “Counterpoint” e “Tenorhood”.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Apresentando: Muhal Richard Abrams





Aos 84 anos, o pianista Muhal Richard Abrams vem pela primeira vez ao país, onde dará dois concertos solistas no festival Jazz na Fábrica, no Sesc Pompeia, nesta semana. Sendo um dos criadores da AACM, que acaba de completar 50 anos de história, Abrams representa um pouco do que de mais inventivo a música free jazzística gestou nesse último meio século.    


sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Brötzmann: variações solísticas




Quem acompanha a obra de Peter Brötzmann sabe que ela cresce de forma rápida e contínua – raro o ano em que o mestre alemão não contempla seus ouvintes com um novo título. Esse prolífico processo criacional ganha agora o reforço de Münster Bern, álbum solo editado pelo suíço Cubus Records.



sexta-feira, 31 de julho de 2015

William Parker: "A ideia do quarteto é incluir todas possibilidades em música"




O baixista e compositor novaiorquino William Parker virá com seu quarteto ao país para dois concertos no mês de agosto, dentro do festival Jazz na Fábrica, que acontece no Sesc Pompeia (SP). Antes de desembarcar por aqui, Parker conversou com o FreeForm, FreeJazz sobre sua música e os múltiplos projetos que conduz.



segunda-feira, 27 de julho de 2015

Apresentando: William Parker






Um dos maiores baixistas desde sempre, compositor, poeta, multi-instrumentista. Este é William Parker, que se apresentará com seu quarteto no festival Jazz na Fábrica (SP), no mês de agosto.
Conhecer a obra de Parker significa descobrir um pouco do que de mais relevante a free music gestou nas últimas décadas.




terça-feira, 21 de julho de 2015

Jazz na Fábrica: festival traz múltiplas opções sonoras




A  edição deste ano do "Jazz na Fábrica", festival que ocorre no Sesc Pompeia (São Paulo) de 6 a 30 de agosto, apresenta, como sempre, um amplo leque do jazz e suas fronteiras (free, pós-bop, impro livre, neo bop, fusion, modern criative etc.), com mais de 15 atrações programadas.
Dentre as esferas mais ousadas e inventivas, não faltarão boas opções, muitas delas nunca antes vistas por aqui. Abaixo, uma seleção de atrações imperdíveis.



sexta-feira, 10 de julho de 2015

A cena registrada: documentando o free





A recente apresentação do documentário “Taking the Dog for a Walk”, no In-Edit, sobre a cena free impro britânica, mostra o quanto é relevante tal tipo de trabalho na missão de preservar e divulgar essa música. Nas últimas décadas, uma série de outros filmes foram realizados com o intuito de documentar o gênero e merecem ser (re)descobertos...

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Julho: muita música, diferentes perspectivas



Julho chega com agenda variada, múltiplo cardápio de sons,  diferentes origens e perspectivas, free, jazz, popular, erudito, noise...
Dentre o que há de melhor a ser visto e ouvido, destacamos alguns eventos que rolam próximas semanas...


terça-feira, 23 de junho de 2015

Free Jazz Underground: “Artistry” (Sirone, 1978)




Norris Jones. Era com esse nome que o baixista, conhecido depois no meio free como Sirone, participava de gigs em seus primeiros tempos. Ainda em sua Atlanta natal, tocou jazz com George Adams e R&B com Sam Cooke. Mas seria a mudança para Nova York, em 1965, que selaria seu destino como um dos mais destacados e requisitados baixistas do free.



terça-feira, 16 de junho de 2015

A solitária mulher de Ornette Coleman (Lonely Woman revisited)



Ornette Coleman queria ser reconhecido também pelo seu trabalho como compositor. A improvisação livre strictu sensu não era, de fato, seu foco central, mesmo que seu nome seja indissociável do mais liberto free jazz. Infelizmente suas composições mais ambiciosas (cordas, orquestra) não tiveram grande repercussão, mas algumas peças que criou para seus conjuntos jazzísticos se tornaram clássicas, sendo revisitadas por gerações distintas de músicos. E nesse campo de reconhecimento, nada se compara a uma de suas primeiras composições: Lonely Woman.